17 - CAMINHADA POLÍTICA: Os candidatos nas ruas !

22/07/2012 08:37

17 - CAMINHADA POLÍTICA: Os candidatos nas ruas !

       22.07.2012

        Baseado no texto de Assis Dutra

        Fonte: http://www.acessemiguelalves.com/2012/07/15/o-efeito-das-caminhadas/

   Antes do médico e ex-senador Francisco de Assis de Moraes Souza, conhecido como Mão Santa, os candidatos faziam campanha com comícios e carreatas, que eram os modelos principais de campanha. Mão Santa inovou ao lançar um modelo diferente de fazer política: o corpo-a-corpo com o eleitor, através das caminhadas que fez por todas as cidades do Piauí.

   O modelo Mão Santa de fazer política fez os comícios e as carreatas ficarem em segundo plano. E hoje o que se vê em toda campanha política são candidatos intensificando as caminhadas por dois motivos: primeiro, por ser uma atividade física saudável para o corpo; segundo, porque no campo político ela promove o encontro direto entre o candidato e o eleitor. Outro fator importante da caminhada é que o candidato torna sua campanha mais ativa e atrativa, pois por onde passa chama a atenção e ganha seguidores.

   Em Várzea Paulista a largada já foi dada no final de semana anterior, 14 e 15/07, com Luiz Raniero, Lula, e Jr. Aprillanti. Foram os primeiros a darem início às caminhadas na cidade, com a participação de seus vices e militantes.  As caminhadas seguem neste fim de semana iniciado ontem, 21/07, com pelo menos o PT, PSDB e PCdoB indo às ruas e promovendo reuniões nos bairros.

   Pode ser observado que as caminhadas políticas causam efeitos positivos para os candidatos. Espera-se que elas sejam sempre feitas obedecendo às regras do jogo, respeitando o direito do outro, evitando confrontos que possam tirar o brilho da democracia. Por outro lado, espera-se também que as caminhadas sirvam para mostrar aos candidatos a real situação dos bairros e das comunidades, uma vez que eles vão passar por muitas ruas da periferia e por muitas localidades onde as pessoas não querem muito, sonham apenas com o direito de viver com dignidade e com mais qualidade de vida.  

   Que as caminhadas não sejam apenas para o contato com a população, mas também para serem observadas e anotadas as reais necessidade dos bairros e regiões. Que durante as caminhadas na cidade o candidato enxergue e reconheça a rua que prometeu asfaltar, a escola que precisa ser construída e as melhorias que prometeu fazer na infraestrutura, esportes, lazer, transporte, entre outras.

    Sobretudo, nas caminhadas, o candidato precisa ter em mente que não é só pedir apoio, voto e fazer promessas. Isso a população já sabe como é, como funciona e que só serve para ganhar eleição. O que o candidato deve realmente ter em mente é a conquista da confiança dos eleitores, demonstrando de forma convincente que irá mesmo realizar seus projetos de governo e cumprir as promessas feitas. Sem isso a caminhada com fins eleitorais será apenas um passeio com poucas vantagens, um oba-oba, nada mais além de aparecer em público e estar mais proximo do povo.

   Por outro lado, se o candidato insistir em usar da religião e do nome de Deus continuamente nos seus pronunciamentos é sinal de insegurança, de falta de projetos verdadeiros, de tentar induzir o eleitor emocionalmente. O candidato pode não perceber, mas certamente não está conquistando voto, não estará transmitindo confiança. 


 
 

 

Voltar