172 - POLITICAMENTE CORRETO?

22/03/2013 09:37

   Os recentes episódios envolvendo 3 das Secretarias do novo governo municipal, revelam que pouca coisa mudou no cenário político que todos apostamos ia mudar aqui em Várzea Paulista. Podem ter sido apenas “deslizes” ou falta de tato dos responsáveis, mas elas chegaram à opinião pública através das Redes Sociais e deixou setores do governo em apuros por terem que dar expliçações ao prefeito e à população por suas ações intempestivas, quando podia ser evitado se o governo fosse devidamente fiscalizado, e ter suas as ações contraditórias inibidas, ou denunciadas, pelos vereadores eleitos. Se considerarmos que existam alguns poucos vereadores fiscalizando, não é bem isso que se vê da parte do Legislativo. Abusos sempre vão existir, mas evitar o máximo as más ações não é obrigação da população, e sim dos vereadores e responsáveis pelo governo, particularmente dos Secretários. É preocupante ver o Secretário da Comunicação se esforçando para, por todos os meios, "maquiar" o desgaste, inclusive usando de contra-informação para fazer parecer que não aconteceu nada de errado. Observamos que nem sempre tem tido sucesso ao "plantar" comentários na Rede Social, ou ligar para confundir os "formadores de opinião" na base da "amizade". Acreditamos que o efeito de credibillidade junto à opinião pública seria muito mais aceitável e eficiente, esvaziando completamente o mal estar, se admitisse publicamente que o problema ocorreu sem o pleno conhecimento do executivo, e que já estava resolvido. Mas, certamente, ele deve estar sabendo o que está fazendo...

   Considerando o comentário acima, vamos ao que o título desta publicação menciona.
  Ainda hoje o "Politicamente Correto" está na moda. Somos diáriamente criticados por adotarmos posições que a sociedade não considera como sendo politicamente correto.
   Com isto estamos nos tornando uma sociedade que não pensa. Uma sociedade formada por espectadores descomprometidos, indiferentes, sem identidade e que normalmente acompanha o que a "maioria" decide que é correto.
   Não podemos mais dizer que o normal é ser heterossexual, dizer isto é ser homofóbico e não está politicamente correto. O correto é dizer que a prática do homossexualismo é normal.
   Não podemos mais dizer que o aborto é crime. O politicamente correto é dizer que a mulher é dona de seu corpo e que pode abortar quando quiser. Acabamos com a responsabilidade inerente ao ato sexual.
   Caso manifestemos nossas opiniões em público logo somos atacados, e em alguns casos até fisicamente, por aqueles que têm opiniões contrárias às nossas.
 
   Por outro lado é normal:
   - admitirmos que o político seja desonesto ? Sim, é.  
   - aceitar que nossos representantes possam mentir sem se preocuparem com as consequências, e que tenham atitudes autoritárias, arrogantes, antiética, imorais, desonestas ? Não, não é.
   - dizermos que todo o político é assim e que não há como mudar ?. Não é e também é, apenas aceitamos.
 
   Deixamos de ser agentes de mudança. Passamos a ser conformistas. Queremos "ficar bem na foto", ou não queremos "queimar nosso filme". É mais importante nossa aparência de sermos corretos e liberais do que éticos e honestos em nossas opiniões.
   Agindo desta forma qual o legado que deixamos para nossos filhos e netos?
   Que eles devem se omitir? Que não devem lutar pelo que é ético e honesto? Que tudo é correto? Que os fins justificam os meios? Que não podemos mudar o mundo e portanto devermos nos conformar?
   Triste futuro terão nossos filhos e netos se continuarmos sendo "politicamente corretos" dessa forma, e pararmos de lutar pelo que é certo, se deixarmos de ensinar que mais vale ser ético e honesto do que "politicamente correto".
 
 
 
Voltar