187 - AS ELEIÇÕES 2016 PARA PREFEITO

21/04/2013 17:25

   Pode até parecer exagero, mas não é. A deflagração da campanha eleitoral já acontece há quase 3,5 anos antes das eleições 2016, e não é um problema em si, já que a disputa na conquista antecipada de espaço acontece entre os partidos e grupos políticos. O máximo que pode acontecer é o eleitorado não dar a mínima à movimentação dos políticos, como sempre.

   O que não pode e o que a lei (Constituição, inclusive) proíbe, expressa e claramente, é o uso de governos na prática eleitoral, como sabemos vai ocorrer caso se confirme que o prefeito esteja mesmo disposto à se reeleger, incluído aí os prefeitáveis em postos estratégicos no governo.

   Os efeitos são incomparáveis, é verdade. O peso do uso da máquina municipal é proporcional ao seu poder. Na essência, porém, não há diferença de conduta: tanto pode extrapolar o prefeito se valendo do acesso aos jornais, rádio e TV para propagandear medidas do agrado popular, quanto pode exagerar uma oposição na mesma medida com denuncias e propaganda contrária, como aconteceu na ultima eleição.

   Olhando bem, hoje não temos um cenário de disputa política entre partidos - PT, PSDB, PSB e PMDB, repetindo, sem fazer juízo na escala de valores em que o governo municipal extrapola mais que todos, e que pode muito bem desequilibrar totalmente a balança.

   É um quadro de ilegalidade oficialmente consentida em que a máquina feita para funcionar para todos é posta a serviço de alguns "escolhidos". Sob qualquer ângulo que se olhe, isso não pode. É como fazer o tentador estar presente na antessala dos interesses.

   Guardadas as proporções, na essência aplica-se o mesmo raciocínio à tumultuada campanha da eleição do atual prefeito. Note-se:

- as pressões e dificuldades na escolha do vice,

- as turbulências do jogo da contra-informação,

- a guerrilha psicológica para desestabilizar o adversário,

- as panfletagens com acusações de todo tipo,

- e toda uma parafernália usada na busca do prêmio maior de ser eleito a todo custo, e vencer. 

  De qualquer forma, já foi dada a largada para 2016. Grupos começaram a se movimentar para formar embrião de força de coalizão, políticos trocando de partidos, alguns trazendo e se acomodando em siglas novas, outros se movimentando e se preparando para ser mais presente junto à opinião pública e eleitores, outros estão preocupados em sair da letargia cômoda do cargo que ocupa, alguns estão preparando estratégias para reeleição (vereadores), etc..

   Para os vereadores que insistem em só apresentar moções e indicações ao prefeito, discursar veementemente na Tribuna da Câmara Municipal, mas sem abraçar causas expressivas junto à população, sem estar lado a lado com eleitores, sem estar presente nos movimentos sociais e nas necessidades dos bairros que os elegeram, nome envolvido em denuncias de malfeitos e não ter uma postura representativa esperada pelos eleitores, cada vez mais exigente, pode acabar por abrir espaço para novas lideranças e nomes que podem se tornar expressivos. Alguns possíveis pré-candidatos poderão tentar ganhar visibilidade junto ao eleitorado, pese o custo e a decepção de uma aventura com os atuais eleitos se não der o resultado esperado e desejado pelo eleitorado. 

   Uma reflexão de que a ausência ou letargia na compreensão dos processos políticos (no caso o legislativo) resulta em confusão na escolha dos modos de participação junto à população, que pode muito bem anular a eficácia da reação da sociedade, que, por isso, acaba concluindo que não há retorno positivo. O maior risco aqui é o eleitorado entender que deve trocar os atuais representantes eleitos.

   Alguma pode ser feito ? Sim, desde que se saiba como fazer. E para saber é preciso se interessar e entender primeiro como as coisas funcionam. Em suma: não basta se indignar e repetir o que precisa ser feito, é preciso participar com discernimento e vontade sobre quais os caminhos a trilhar junto e a bem da população, que é a razão primordial do olhar do eleitorado.

  Temos pouco mais de 3,5 anos para as próximas eleições, e deixar para se movimentar somente nos meses que antecedem a corrida eleitoral é ser ingênuo e descuidado com o futuro. A sorte está lançada e a contagem regressiva começou. Os que estiverem atentos à sabedoria dos Mestres poderão ter os sonhos realizados se, desde agora, prestarem atenção e agirem em conformidade com o tempo e ao vento...

 

 

Voltar