189 - IDEOLOGIA POLÍTICA

24/04/2013 07:40

* Compilação de várias fontes

   O que é ?

   É um conjunto de idéias ou pensamentos de uma pessoa ou de um grupo de indivíduos. A ideologia pode estar ligada a ações políticas, econômicas e sociais.

   São também os motivos que levam uma pessoa ou grupo de pessoas a se entranhar numa atividade que afeta a sociedade, sendo que suas atuações vão influir no cotidiano da população. Por isso os políticos deveriam estarem guarnecidos de "boas intenções", e suas intenções serem sustentadas por ideais construtivos e experimentados. Pode se identificar com  a busca de um ideal, ou seja, uma certa "visão do mundo"com relação a algo. No caso da politica, pode-se perguntar, por exemplo, qual é o ideal ou qual é a visão que um partido ou governo tem para o futuro do Brasil ?

   Em outras palavras, a resposta conseguida é a ideologia politica do partido, ou a visão política para o futuro do Brasil. Essa visão compreende aquilo que o partido político pretende fazer.

   Se você tem o ideal de estudar para se formar e trabalhar com medicina para fazer trabalho social, então sua ideologia é que a medicina deve ser usada não só para ganhar dinheiro mas para ajudar os necessitados.
   A ideologia política tem tendências de organizar a sociedade, com ética, cultura, moralismo, respeito. A ideologia política pode tomar caminhos diferentes as vezes, para se conseguir um mesmo resultado.
   Imaginando-se uma ideologia política para construir casas teríamos, como exemplo:

- para o PT pode ser ideal fazer mutirões para se construir casas para os pobres,

- já para o PMDB a ideologia nesse caso pode ser aumentar o IPTU para arrecadar mais e construir as casas para os pobres,

- e para o PSDB pode ser pedir empréstimos para os bancos e construir as casas e os pobres vão pagando pequenas parcelas.

   Portanto, os simpatizantes de um dos ideais acima abraçam a política partidária que entende ser a mais adequada para atender determinada realização social, patrimonial, progressista, conservador, etc.. Mas isso é só um exemplo, e as variáveis são muitas, do que deveria constituir um ideal político aceitável e que contemple as aspirações da população. 

   Entre as mais conhecidas propostas ideológicas políticas, estão:

- Ideologia fascista: implantada na Itália e Alemanha, principalmente, nas décadas de 1930 e 1940. Possuía um caráter autoritário, expansionista e militarista.

Ideologia comunista: implantada na Rússia e outros países (principalmente do leste europeu), após a Revolução Russa (1917). Visava a implantação de um sistema de igualdade social.

Ideologia anarquista: defende a liberdade e a eliminação do estado e das formas de controle de poder.

Ideologia democrática: surgiu em Atenas, na Grécia Antiga, e possui como ideal a participação dos cidadãos na vida política.

Ideologia capitalista: surgiu na Europa durante o Renascimento Comercial e Urbano (século XV). Ligada ao desenvolvimento da burguesia, visa o lucro e o acumulo de riquezas.

- Ideologia conservadora: ideias ligadas à manutenção dos valores morais e sociais da sociedade.

- Ideologia nacionalista: exaltação e valorização da cultura do próprio país.

 

   Podemos entender, portanto, que ideologia se trata de um conceito importante para explicar as diferenças e conflitos no plano das idéias políticas e econômicas. É esta a razão de estudar as ideologias como a combinação de teorias (explicativas) e valores (normativos) capazes de levar pessoas, grupos e movimentos sociais à ação política ou, ao contrário, a aceitarem passivamente a ordem estabelecida. As ideologias funcionam, portanto, como idéias-força de qualquer sistema social.

   O debate de idéias é o debate ideológico. Se ideologia é um conjunto de idéias-força que justificam uma opção política, mobilizando as vontades para sua concretização prática e histórica, tanto o discurso da globalização quanto o discurso de um mundo possível são ideológicos. Enquanto o primeiro idealiza as conquistas humanas e os avanços tecnológicos da globalização (omitindo que isso é apenas para grupos privilegiados), o segundo proclama que pode haver uma forma melhor de ordem mundial se forem multiplicadas as atuais experiências de solidariedade econômica entre os povos e forem respeitados os Direitos da Terra. Ou seja, ambos falam da mesma realidade, mas de pontos de vista opostos.

   Não devemos temer as ideologias.

   Elas fazem parte indispensável da política e o debate ideológico é tão importante quanto as campanhas eleitorais, atos públicos, passeatas, greves, paralisações e outras formas de mobilização social. Trata-se de entrar no debate, consciente da própria ideologia para criticar com firmeza a ideologia do adversário, destruir seus argumentos e desmoralizá-lo politicamente. Quem não toma consciência da ideologia que o move – ou o imobiliza – acaba ingenuamente adotando o ponto de vista dos poderosos, pois sua influência sobre os meios de comunicação, universidades, partidos políticos, igrejas e outras instituições as tornam veículos para sua dominação ideológica (a hegemonia) . Não por acaso esses meios de comunicação hoje dão como certo que as ideologias foram superadas e que todos podemos confiar no saber difundido pelos centros de pensamento dos EUA e da Europa. Trata-se, na verdade, de uma estratégia de luta pela orientação intelectual da opinião pública mundial. Neste contexto, é da maior importância perceber e denunciar a ideologia veiculada por esses meios de informação e comunicação, por mais sutis que sejam.

   Mas deve-se tomar o cuidado para o risco da transformação de uma ideologia em doutrina. A ideologia é uma construção intelectual que precisa ser constantemente reelaborada para dar conta das mudanças que ocorrem na história dos grupos humanos. Quando essa teoria alcança sucesso na transformação de uma sociedade ela tende a cristalizar-se. Foi o que aconteceu com a teoria marxista, que orientou a Revolução de 1917 na Rússia. Ao ser codificada como teoria válida para todas as revoluções socialistas, ela perdeu sua capacidade de tirar lições de cada luta popular, explicar as contradições inerentes a cada forma de capitalismo e de apontar as condições históricas para sua superação. Isso causou muitos males aos movimentos de esquerda (isto é, os movimentos e partidos que lutam pela igualdade social e econômica), prendendo-os a uma doutrina a ser aplicada em todo tempo e lugar. Trata-se hoje de recuperar aquela ferramenta intelectual, que poderá nos ajudar a entender os atuais mecanismos do sistema capitalista de mercado, que, embora revestido do nome atraente de globalização, desde o século 16 subjuga os povos da Pátria Grande e os coloca na periferia do sistema mundial para serem explorados.

   Um olhar mais atento e minucioso pode identificar quais os verdadeiros ideais políticos abraçados por cada partido político, principalmente os que realmente são praticados a partir dos bastidores e poucos sabem. Mas essa é uma tarefa ou missão praticamente impossível, porque o que se vê hoje na prática são os interesses de pessoas e/ou grupos de pessoas. Infelizmente.

 

 

 

Voltar