197 - ABOLIÇÃO NO BRASIL: 125 ANOS

16/05/2013 11:46

    Baseado no texto de Celso José dos Santos 

    Fonte: http://www.appsindicato.org.br/Include/Paginas/artigo.aspx?id=8631

    Comemorou-se dia 13 de maio os 125 anos da abolição da  escravatura no Brasil, que ainda está longe de ser uma nação livre de desigualdades  raciais. Uma análise dos indicadores econômicos e sociais dos últimos 20  anos revela, no entanto, que o país tem avançado. Uma data dessas deve ser objeto de reflexão de toda a sociedade brasileira, pois o que somos e o que seremos, depende muito de como percebemos e resolvemos os problemas de nosso passado.

   Não podemos simplesmente, como querem muitos, esquecer que a construção deste país, imenso e pujante, foi construído pelos povos originários, cujos descendentes remanescem em condições extremamente precárias, denominados de povos indígenas, que foram em grande parte dizimados no contato com o branco europeu, seja por doenças seja pela força empreendida para sua escravização.

   Ao mesmo tempo, não se pode apagar que a grandeza de nossa nação foi edificada com braços e mentes africanas e afro-brasileiras, que por quatro séculos foram escravizadas, sobrevivendo a toda sorte de dificuldades, violências, mutilações e desumanidades.

  No entanto, não se pretende fazer deste texto um muro de lamentações. Ao contrário, destacamos que há no Brasil, com sua cultura, com suas edificações, uma latente africanidade presente em todos os espaços, estruturas e relações sociais existentes, muitas vezes ofuscadas ou invisibilizadas pelos que só admitem haver beleza e riqueza na branquitude europeizada de nossa sociedade brasileira.

   A esses quero afirmar que só existe arte barroca em nosso país, por que existiram artistas africanos e afro-brasileiros que anonimamente a criaram, embora não pudessem ser seus signatários. Só temos a riqueza musical porque estamos impregnados de ritmos africanos que perpassam desde o Samba até o Rock, desde o Jazz até a Bossa Nova, desde a MPB até o Tango, desde as Cantigas de Roda até o Sertanejo de Raiz. Só temos uma das culinárias mais ricas e diversificadas do mundo, porque os temperos, especiarias e mão africanas transformaram os restos em pratos principais.

   Nossas edificações, desde as casas mais simples à construção de estradas de ferro que as tecnologias europeias julgava impossíveis foram construídas com a inteligência e mão de obra africanas e de afrodescendentes.

   Por isso, e muito mais, refletir sobre esses 125 anos de abolição inacabada permite ao País encontrar-se com seu passado, reconhecer as atitudes criminosas realizadas e impulsionar a adoção de políticas de reparação e de ações afirmativas, para que a maioria da população brasileira, que é negra, (uma vez que pretos e pardos passaram a ser 50,7% da população brasileira, segundo o senso do IBGE de 2010) possa ocupar o lugar que merece em nossa sociedade, uma vez que todas as estatísticas revelam que para negros somente restaram os piores extratos da sociedade, os piores lugares para habitação, os piores e mais desvalorizados postos de trabalho.

   O Estatuto da Igualdade Racial é um marco legal que não apenas reconhece que o estado brasileiro tem uma dívida impagável para com a população negra, mas possibilita a instituição de políticas públicas de ações afirmativas para efetivamente completar a abolição, que continua inacabada.

   Esses avanços não apagam as atitudes racistas cometidas contra negros de todas as idades, gêneros, orientações sexuais e religiosidades, seja explicita ou implicitamente, mas permite constatar que se efetivamente é desejo da nação brasileira construir uma sociedade de igualdade, onde as diferenças não sejam objeto de discriminação, mas valorizadas em sua riqueza de diversidade, é preciso agir.

   Essa geração atual não pode se dar ao luxo de esperar que o acaso e o tempo resolva nossos problemas do ontem de um escravismo criminoso que continua a gerar problemas no hoje e, infelizmente ainda poderá produzir muitos problemas futuros.

   É preciso educar a sociedade, as universidades, o parlamento, o judiciário e o executivo, os livros didáticos e os programas de televisão, os noticiários de jornais e revistas, as propagandas e os postos de destaque no comércio, na indústria, na agricultura e nos setores de serviços, inclusive nosso vocabulário, não para perpetuar o desfavor em relação à população negra, mas para destacar que a beleza negra é tão bela quanto a beleza branca, amarela ou rosada.

 

"Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele,

por sua origem ou ainda por sua religião.

Para odiar, as pessoas precisam aprender,

e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar."

(Nelson Mandela)

 

  P.S.: Sugerimos a leitura do discurso do Senador Roberto Requião

 

 

Voltar