205 - OS NOBRES VEREADORES DE V.PTA E A SAÚDE PÚBLICA

31/05/2013 12:18

   No contexto dos comentários se observa quanto a aprovação da Lei 23/2013 na última sessão da Câmara Municipal de Várzea Paulista, há o aparente lado duvidoso da lei aprovada pelos nobres vereadores, e pode ser notado o seguinte:

   1) Dentro de todos os ônibus já tem o telefone da ouvidoria da empresa e da ARTESP, que é obrigatório estar visível por força de lei estadual, tanto nas linhas intermunicipais, de curto e longo percurso, e linhas municipais.

  2) É mais uma despesa a ser bancada pela prefeitura, que afirma o tempo todo que não tem dinheiro para resolver os problemas da saúde pública, que é muito mais sério.

  3) Teria que ter um telefone público ao lado de cada ponto de ônibus, e os usuários se disporem a reclamar para surtir o efeito esperado, bem como anotarem o email para posterior reclamação por escrito.

  4) O Depto. de Transito pode fazer a placa do tamanho que quiser, até mesmo 5 x 10 cm, conforme disposto na lei provada.

Veja a Lei 23/2013 aprovada

 

    A questão principal na opinião pública, onde qualquer pesquisa de campo mostraria isso clara e inequivocadamente, e na qual os nobres vereadores deveriam estar atentos e envolvidos na solução, é a SAÚDE PÚBLICA pois é dela que a população reclama e se queixa todos os dias. 

   Uma avaliação séria consideraria que no ir e vir todo mundo se arranja, mas cuidar da saúde é muito, mas muito mais sério e é necessário que se tenha profissionais, recursos, materiais de limpeza e higiene, e onde a falta do médico e medicamentos é mais sentida e mais exigido no atendimento quando se precisa da UBS, etc. 

   Mas, o que dizem os nobres vereadores quanto a isso ? Completado 5 meses de mandato, quais foram os vereadores que subiram na tribuna da Câmara Municipal para cobrar do governo a solução para falta de medicamentos, médicos e o tal Poupa Tempo Saúde, com exceção de um cobrando a falta de medicamentos e materiais de uso das UBS... da parte do governo municipal a opinão pública tem ouvido que há falta de dinheiro, mas que as contratações de comissionados continuam...

 

 

 

 

Voltar