328 - A MENTIRA E O POLITICO

16/05/2014 09:31

   Em julho 2012 publicamos o texto abaixo, que reproduzimos novamente, revisado, porque ainda permanece inerente ao que hoje vemos aqui na política de Várzea Paulista. Pode-se ver que nada mudou desde então, só mudou a crença do eleitor que acreditou que haveria alguma mudança prometida por aqueles que elegeram. Não acreditam mais...

     A mentira é um comportamento do homem para se ganhar tempo, se salvar de uma situação emergencial, salvar a própria vida, esconder a verdade que o prejudica ou obter vantagens pessoais principalmente.
     Quem usa a mentira? É aquele que se sente pequeno em relação aos outros, ou que se sente acuado pelos adversários, ou quer enfraquecê-los ou ridicularizá-los. Fazer da mentira uma maneira normal de viver é para aqueles que sempre se sentem pequenos, e que sempre se sente fraco diante dos opositores. Na maioria das vezes, o mentiroso é mesmo um fraco. Um fraco de espírito, um fraco de idéias, um fraco de inteligência, um fraco de boas amizades, um fraco de boas intenções, uma pessoa que não tem senso de grupo, alguém que não consegue elaborar em seu cérebro o que é viver em comunidade e democracia. 
     Mas usar a mentira sobre todo o mundo, e o tempo todo, é uma prova de distúrbio sério de comportamento. A própria psiquiatria se declara incompetente para curar mentirosos assim, exagerados. Pessoas que mentem da hora que acordam até a hora de dormir, fazem um estrago na vida dos outros. Fazem um estrago bem maior na vida daqueles que estão por perto, do que para daqueles que estão mais longe. 
    O que mais atrai um mentiroso é a política. Nesse "ramo" é onde estão os maiores mentirosos. Assim, um mentiroso dentro de um grupo político pode ter a sua utilidade, em um curto espaço de tempo, em uma situação emergencial daquele grupo político. Mas depois, faz um estrago danado na vida de todos no grupo. Pois a mentira que foi utilizada para se ganhar tempo, agora pode ter passado a ser modo de vida corriqueiro do mentiroso. O mal estar para o grupo é grande, tanto para o grupo familiar, para o grupo de amigos (se é que o mentiroso tenha algum de verdade), e principalmente para o grupo político. 
    Grupos políticos têm uma certa tolerância com mentirosos, e em alguns casos, esse tipo de gente é até bem vindo. É ali, em grupos políticos, que mentirosos acabam tendo êxitos, ou melhor, falsos êxitos. Eles galgam rapidamente posições, mas a um alto preço para todos. Quanto mais perto do mentiroso, mais vítima o cidadão será. 

    Em pequenas cidades, mais do que em grandes cidades, existem políticos que se "escoram" nos mentirosos, e chegam torná-los líderes. Mas, cedo ou tarde, acaba pagando um preço bem caro. As pessoas boas e competentes, e que respeitam as leis, acabam sendo expulsas do grupo. E pessoas de mau caráter acabará se aproximando do grupo.         

    Existe um dito popular que diz que "todo cachorro tem a cara do dono, pois se não tiver a cara então o cachorro é roubado". Isso é bem aplicado em análise de empresas. Todo ser humano tende a imitar às pessoas bem sucedidas. Por isso, todo empregado tende a imitar os chefes, e imitar ao patrão, principalmente. Também tem o outro mecanismo de seleção por perfil comportamental, em uma empresa. Ao longo do tempo, aquele que não "reza na cartilha" do chefe acaba sendo descartado. Assim, uma empresa pública, privada ou partido político acaba refletindo o comportamento do “líder”. 

    Se uma empresa pública, como uma prefeitura, por exemplo, o chefe é aquele que conseguiu conquistar politicamente posições, e chegando a ser o prefeito, é claro que a instituição começará se parecer com o chefe maior. 

    Agora, e se um prefeito ou vereador usa desmedidamente o recurso da mentira? É claro, alguns que estiverem ao seu lado naturalmente se tornarão mentirosos também, principalmente aqueles mais ligados ao mentiroso. E os outros, os que não rezarem na cartilha, esses irão sendo largados pelo caminho.  

    Então, concluindo, se alguém trabalha a muitos anos com lider mentiroso, e se é ligado a um cargo de chefia, ou ligado de certa forma a ter muito contato frequente com o lider, então, certamente se tornou um grande mentiroso, também. Na mesma analogia, se alguém trabalha a alguns anos com um chefe mau caráter, pode também se tornar mau caráter. 

     Para ser mais claro, e fazendo uma analogia com uma empresa pública: se um político mentiroso e mau caráter ganha as eleições para prefeito/vereador, em alguns anos terá em sua volta subordinados muito parecidos com ele. Assim, pode até achar parecer ofensa quando alguém chama de quadrilha uma prefeitura comandada por um administrador que mente, mas em muitos casos, a palavra é adequada, pois ao longo do tempo, foi-se formando uma equipe de pessoas mau caráter dispostos a fazer qualquer armação. E a senha para se entrar no grupo ? O simpatizate é intimado a fazer alguma besteira para ficar sujo, e desse modo ficar com o rabo preso com o grupo. Depois vem o lembrete em tom de ameaça:  "se voce entregar a gente, voce vai junto". Pronto, assim fica selada a cumplicidade. 

     Vamos lembrar que essa é também é a forma de se entrar em uma quadrilha profissional, o candidato a membro é convidado a cometer algum crime, para se igualar aos outros e ficar com o rabo preso.  

     A impunidade é o grande motor da corrupção nesse pais. A morosidade da justiça, principalmente com base em tantos recursos, é uma coisa que nos dá a sensação de  impunidade..

    E, resumindo, para o político mentiroso a mentira serve para conquistar a confiança e o voto do eleitor, e depois ? Bom, temos na prática os muitos exemplos de como fica quando este assume o poder. É o que temos hoje...

 

 

Voltar
Contador de visitas