341 - V.PTA.: O FIM DA GREVE DOS SERVIDORES PÚBLICOS

12/06/2014 07:50

   Ontem, 11/06, após 17 dias corridos de greve, ou 13 dias úteis, a greve dos funcionários públicos terminou sem agradar gregos e troianos, e quem aparentemente mais cedeu foram os servidores, tal o desgaste emocional provocado pelas ações do governo junto aos que ficaram nos postos de trabalho, maioria comissionados.

   Admitindo-se que isso é normal e aceito como parte da estratégia nessa “guerra” de interesses, onde cada lado procura “dobrar” o outro, tem-se que exageros e comentários infelizes sempre são cometidos juntamente com certa displicência de alguns dos integrantes do governo na mesa de negociações, como comentou uma grevista na sua pagina do Facebook e que reproduzimos uma parte ontem no Sinal de Fumaça.

  O último dia de concentração dos grevistas em frente à portaria da prefeitura começou logo cedo, por volta das 08h, e às 11h o número de integrantes era expressivo com cerca de 800 pessoas.

  Por volta das 09:30h a comissão de greve se reuniu com o governo para mais uma rodada para se chegar a um acordo, que durou cerca de 2,5 horas para se chegar a uma proposta que encerrasse a greve. Segundo o Sindicato da categoria, a negociação começou com o governo mantendo a proposta já oferecida, com a comissão mantendo a rejeição.

   O sindicato solicitou uma pausa e voltou com uma contraproposta que o governo rejeitou. Depois de muita argumentação, o governo ofereceu 1,5% em novembro, 0,5% em dezembro e 1,5% em janeiro, Vale Alimentação de R$ 170,00 e ainda a opção do servidor trocar a cesta básica por R$ 70,00, valor correspondente em dinheiro. Ficou também acertado que as horas da greve não serão descontadas, mas deverão ser compensadas com banco de horas e outras formas.

  Por volta das 12h já haviam negociado um acordo na mesa de negociações, e a proposta do governo foi apresentada aos servidores em Assembleia. A proposta foi aprovada pela maioria dos grevistas, com uma pequena parte se abstendo e outra rejeitando.

  Fim da greve.

  Depois que pessoal dispersou, aliviados, às 15:30h a comissão da greve foi assinar o Têrmo do Acordo Salarial com o governo municipal, com um repudio ao que foi dito pelo governo na mesa após negociação: que funcionário que não participou da greve vai receber um abono extra além do concedido aos grevistas, sendo que pessoal da saúde estavam injuriados com os que estavam nas UBS, exceto a UBS da Vila Santa Terezinha,  sem atender população por estarem “em greve”, e também pessoal da educação. A pergunta é: eles, maioria comissionados, também irão receber o abono extra por estarem “em greve” ao recusar atender população nos postos de trabalho ?

 - Vádeo do repudio do sindicato ao abono extra: Repudio.avi

 

 

Voltar