38 - A ELEIÇÃO PARA VEREADOR

24/08/2012 09:46

       Ou, a “guerra” pelos votos

   Com 202 candidatos aptos disputando as eleições para vereador aqui em Várzea Paulista, a disputa deixou de ser acirrada para ser uma “guerra” declarada pelos votos. Considerando que temos cerca de 78.000 eleitores na cidade, então, dividindo em matemática simples, temos cerca de 386 votos disponíveis para cada um. Certamente quem fizer uma campanha limpa, de contato pessoal, procurar estar sempre junto aos eleitores, preencher as expectativas e conquistar a confiança dos mesmos terão chances maiores de conseguirem mais votos que os demais.

   São 11 vagas na Câmara Municipal, e todos querem uma vaga.

   A disputa pode até parecer ser desigual, onde os que estão tentando a reeleição aparentemente tem mais chances que os demais. Mas não é bem assim, a população está muito mais esclarecida e sabe muito bem como foi o mandato dos que estão tentando continuar como vereador. Portanto, quem tiver as melhores propostas e transmitir compromisso para com a população e cidade tem as melhores chances.

   Embora ainda existam muitos eleitores que “vendem” o voto em trocar de favores os mais diversos, estes mesmos nem sempre cumprem o trato com o “comprador”, e nestas eleições isso parece mais evidente porque o eleitor está muito mais informado e arisco com quem vai representá-lo. O interessante é que ambos “prometem”: de um lado o que vai “votar”, e do outro o que espera contar com o voto. É um jogo de loteria onde, em um universo de 78 mil eleitores apenas uma mínima parcela, ínfima até, cumpre o que promete, e de ambos os lados.

    Mas, para alivio dos cidadãos que esperam eleger dignos representantes, há uma parcela de candidatos a vereador que demonstram uma vontade firme e decidida a mudar o que hoje vemos na Câmara Municipal, independente do prefeito a ser eleito. São os idealistas, os motivados e sinceros que acreditam que podem fazer o que deve ser feito, e fiscalizar o executivo como deve ser fiscalizado. Uma boa parte são candidatos que emergiram das regiões onde a população tem se sentido em último plano pela administração pública, como também os que pensam como povo e sabem o que deve e precisa ser feito de fato, e querem mesmo fazer. Mas isso não quer dizer que os que estão tentando se reeleger não são dignos, mas estes terão que mostrar ao eleitor que trabalharam pela população e que merecem continuar na Câmara Municipal, mas certamente não será uma tarefa fácil demonstrar isso desta vez.

   Por outro lado, muitos eleitores já firmaram compromissos com seus candidatos, e até ajudam na busca dos votos, mas ainda assim a disputa pelos eleitores, muitos indecisos, ainda tem muito a revelar de intenções de votos, enquanto alguns outros eleitores podem ser "convertidos" a outros candidatos.

   Estes incansáveis candidatos estão fazendo o possível e o impossível para vencer as eleições. Esperamos que os vencedores façam por merecer e retribuam ao voto de confiança que os eleitores irão dar a neles. E que lembrem que os “desligados”, “desatentos” e os de “última hora”, hoje estão mais para uma minoria que para decidir uma eleição em favor de um ou de outro. Já vimos alguns prometerem solenemente seu voto a um candidato, mas que irá votar em outro porque não acreditou nas boas intenções de quem pediu o voto, ou porque já sabem que não é merecedor do voto.

 


 

 

Voltar