380 - VENCER A QUALQUER CUSTO ?

09/09/2014 11:42

   Aparentemente, na gangorra da “guerra vale-tudo para vencer”, a presidente Dilma, mesmo com o imbróglio da Petrobrás, parece começar a dar indícios de estar em um cenário favorável no segundo turno. Mas quanto há de consistência nisso ? Impossível ainda ter certeza, mas aparentemente existe uma sensação quase otimista no comando da campanha do PT...

   Bom, as duas candidatas, Dilma e Marina, estão às voltas com o bombardeio incansável em suas candidaturas, mesmo porque Aécio, na atual conjuntura da campanha, tem muito pouco a perder, e isso a menos de 30 dias da eleição. O eleitor está vendo de tudo, de insinuações a acusações as mais contundentes, imagináveis e inimagináveis.

   Não é para menos, o poder máximo do país é o sonho de muita gente, mas hoje está concentrado nestes 3 candidatos. Quanto a isso, não são só interessados os candidatos por si mesmos, mas o que cada um contém de interesses envolvidos e conectados na candidatura, e não é pouca coisa, pelo contrário...

   Examinando as opiniões dos especialistas em política das grandes mídias e organizações de administração de economia, observa-se que as opiniões são divididas, quando não escondem sua preferência por um dos candidatos e/ou criticam e tentam desbancar ou desclassificar o(s) outro(s).

   Dos 3 candidatos, Marina é o alvo principal a ser vencido “a qualquer custo”, tanto pelo PSDB como pelo PT – principalmente pelo PT que é o que tem mais a perder. Isso mesmo, “a qualquer custo”, tentando mostrar ao eleitor que o adversário não é a melhor opção e/ou não é preparado para estar no comando do país, seja verdade ou não. Todos estão vendo a virulência da disputa presidencial, e os caminhos que estão sendo usados pelos coordenadores de cada campanha para minar a confiança do(s) outro(s) na preferência do eleitor.  

   Mas, no fim das contas, depois que terminada a eleição, o que teremos ? Os vencedores (re)assumindo o poder, e os perdedores lamentando a derrota... Mas isso não é tudo, tem ainda a expectativa de composição a partir dos perdedores para fazerem parte do novo governo, acomodando os “notáveis”, e oportunistas, para evitar pressões de oposição...

   E o eleitor ? Seu candidato ganhando ou perdendo, é ele quem vai pagar a conta... de tudo... mas, resta-lhe a esperança... de tentar de novo na eleição seguinte...

Voltar