616 - V.PTA.: PADOK, O PRÉ-CANDIDATO PEDRA NO SAPATO DOS ADVERSÁRIOS?

08/07/2016 07:55

   Então, mesmo que nem todos os pré-candidatos queiram admitir, Padok chegou em um ponto da pré-candidatura que já é considerado o que pode ser entendido como "a pedra no sapato" dos concorrentes aqui em Várzea Paulista, que se movimentam em função do crescimento dele junto ao eleitorado. Sabe-se que o empresário e pré-candidato a prefeito Padok, que começou a se preparar desde 2014, praticamente antecipou toda a pré-campanha para prefeito 2016 aqui na cidade e já chegou junto aos primeiros lugares das intenções de votos dos eleitores, e com isso passou a ser alvo "preferencial" dos adversários junto com o prefeito que quer tentar se reeleger.

  Ontem, 07/07, foi postado no Facebook, e publicado hoje no Jornal de Jundiaí, a notícia de que na sessão desta quinta-feira, 07/07, o TRE, Tribunal Regional Eleitoral analisou o primeiro caso de denuncia de propaganda eleitoral antecipada e condenou o pré-candidato Padok de Várzea Paulista ao pagamento de multa de R$ 15 mil. Entretanto, isso não significa que ele deixou de ser pré-candidato conforme ele mesmo confirmou ao Blog. E, claro, isso faz parte do jogo político até o dia das eleições.

  Ora, reações contra seu crescimento estavam previstas desde de março, e nas pesquisas oficiais que serão publicadas depois das Convenções Municipais em julho/agosto, certamente ficará mais óbvio do que se imagina a preocupação que tem causado nos adversários. Independente disso, todos os pré-candidatos continuam na “luta” pelos votos até as vésperas das eleições. Mas isso está deveras preocupando os adversários muito mais hoje que antes, particularmente desde a última Enquete divulgada aqui no Blog, e também em função dele ter intensificado os contatos diretos e constantes com a população. Quanto a isso, os profissionais políticos que estavam de certa forma acomodados, já se movimentam para tentar preservar os espaços políticos que, tradicionalmente, julgavam ter tanto nos redutos eleitorais como fora dele.

  Isso deve-se ao fato do empresário Padok estar ativamente se mostrando ao eleitorado justamente por ser ele o único desconhecido dos eleitores, o novo, pois até então não se envolvia na política daqui da cidade e nunca foi candidato a cargo eletivo em qualquer das eleições anteriores. Portanto, ele mede seus esforços através dos contatos e aceitação na opinião pública, e isso tirou da inércia os demais pré-candidatos, incluindo principalmente o prefeito atual. Até em então havia um consenso político eleitoral, quase uma regra/tradição, de se começar as movimentações só na proximidade das Convenções Partidárias Municipais e entrar com as ações práticas só durante a campanha eleitoral, mas que hoje não existe mais e uma provável sensação de intranquilidade pode estar rondando uns e outros.

   Bom, em uma avaliação mediana, sinceramente, a quem interessa intenções de voto hoje? Aos eleitores? Não, só aos pré-candidatos. Intenções de votos só vai importar MESMO aos eleitores a partir das que forem registradas no Cartório Eleitoral, para se saber quem está melhor colocado na opinião pública, e de como cada candidato está se saindo na campanha eleitoral para, no final, o eleitor decidir em quem vai votar (tem os que votam só em quem está na frente). Portanto, hoje, prioritariamente, avaliar intenções de votos atende e são de grande interesse face aos concorrentes, com base na avaliação popular, ou seja: se é ou não bem avaliado.

    Quanto a todos os pré-candidatos, ou se interessam saber como estão diante do eleitorado para acertarem estratégias antecipadas, fazendo Enquete própria, ou usa os dados de quem faz para ter uma ideia de como estão no cenário eleitoral. Claro, nem todos se sentem satisfeitos com o que já está apurado, entendendo-se que nenhuma das intenções de votos está registrada no cartório eleitoral, e só servem apenas como pré-indicadores a quem encomenda uma Enquete.

   Uma certa previsão a menos de 90 dias das eleições, de alguns experts da política local, parece certa: até 14/agosto/2016 tem muita coisa para acontecer, e só nas Convenções Municipais partidárias, e depois, é que aparece a verdadeira face do jogo eleitoral 2016. Antes disso, um paliativo para os que sofrem por antecipação é o uso de um calmante suave, tipo o de maracujá. Em agosto, quando os bastidores eleitorais já estarão na fase “agora é prá valer”, a insônia certamente deixa de ser sensação e passa a ser real e, nesse caso, o calmante deverá ser outro...

 

 

Voltar