51 - AINDA SOBRE O VOTO DOS INDECISOS

10/09/2012 06:42

    A menos de trinta dias do fim da corrida eleitoral, os candidatos aos cargos de prefeito e vereador da cidade deverão traçar suas últimas estratégias para conquistar votos e convencer os eleitores indecisos para chegar ao objetivo principal, vencer a eleição e garantir uma vaga no poder Executivo e Legislativo. 

   O fenomeno da indecisão eleitoral tem assumido uma relevância crescente no eleitorado. A maior distância entre eleitores e partidos, a diminuição do peso das divisões mais facilmente  tradicionais sobre o comportamento dos eleitores e, paralelamente, o aumento da importância dos fatores de curto prazo são elementos que tornaram cada vez mais central esta porção do eleitorado. Os indecisos convertem-se no alvo principal da ação dos partidos, na tentativa de influenciarem e condicionarem as escolhas dos eleitores durante a campanha eleitoral. A maior difusão dos meios de comunicação são fortes incentivos para a mobilização e a persuasão dos eleitores indecisos durante as campanhas. O fato dos atores políticos concentrarem os esforços financeiros e de organização nestas últimas semanas que antecedem o voto demonstra não apenas a convicção de que é possível persuadir este grupo de eleitores, mas também que as escolhas destes eleitores determinam de forma crucial o desfecho da competição eleitoral. É frequente, de fato, que durante as campanhas eleitorais a atenção dos partidos e das midias se concentre sobre os indivíduos que ainda não decidiram a sua opção de voto.
   Visitas, reuniões, comícios, carreatas, caminhadas e debates. Tudo isso deverá acontecer nesses últimos dias que precedem o dia 7 de outubro, dia de o eleitor fazer a sua escolha e definir seus novos representantes.

   Muitos críticos políticos da cidade avaliam essa eleição como uma das mais incertas de toda a história, pois acreditam que até o mais novo candidato pode conquistar o voto do eleitor indeciso.

   Outro grande fator que torna a dúvida dos eleitores ainda muito evidente é o fato de que desde o período pré-eleitoral até o presente momento, nenhuma pesquisa eleitoral foi registrada e publicada na mídia e, portanto, as informações dos candidatos podem não ser confiáveis e não ter valor modificador de opinião. Oras, existindo pesquisas de intenções de votos, porque não publicam ? Aparentemente seria porque a pesquisa, feita sob encomenda pelo candidato majoritário, não mostra um indicador favorável a ele e fica esse jogo de dizer que está na frente dos demais e que vai vencer tranqüilamente a eleição.

    Para “apimentar” ainda mais o pleito eleitoral 2012, essa reta final guarda muitas surpresas para os candidatos pois, segundo os eleitores tem constatado, alguns discursos tem mostrado os candidatos a prefeito e a vereadores já com um tom mais áspero, mais critico e mais contundente, lembrando que o eleitor tem para escolher:

- 1 entre 4 candidatos para prefeito (1 vaga)

- 1 entre 217 candidatos para vereador (11 vagas)

   Mas, pelo sim pelo não, o eleitor indeciso pode optar por um candidato que atenda suas expectativas, se ele acreditar que o candidato vai realmente promover as mudanças desejadas e necessárias. É uma faca de 2 gumes, de um lado esse eleitor não acredita mais em promessas, do outro desconfia das intenções dos candidatos. Na dúvida ele, o eleitor, pode votar em branco ou nulo, e restam poucos dias para o candidato procurar tentar evitar isso convencendo-o com seus argumentos para ter o voto.

 

 

 

Voltar