ALMA SUPLICANTE

08/05/2014 07:59

Telma Sanchez

 

Que cantem almas

Que bailem os ventos

E chorem tempestades de minha alma.

Que suspiram por mares, montes e campos.

 

Canta

E simplesmente chora

O amor perdido

A tristeza que massacra o meu ser, o teu ser

O nosso ser...

O ser de não ser aquilo que somos

E que na vida simplesmente

Vos faz sentir a calma suplicante da alma.

De que se esvai, esmigalha...

 

Sobre o céu de nuvens negras

E de amores perdidos

Em meu ser.

 

A calma, a dor da alma,

Que esvai, perde-se em ventos

E tempestades nebulosas

Que suplica teu amor.

 

Eu que grito, canto e choro

E que vejo tua imagem refletida

Na distância dos ventos que nos separam.

 

 Da alma a calma de um amor suplicante

Que vaga por caminhos

E me deixa com a alma nua..

 

 

Voltar