ELEIÇÕES 2015 NO SINDICATO DOS FUNCIONARIOS PÚBLICOS DE V.PTA.

12/02/2015 10:47

  Ontem, 11/02 – quarta-feira, o Sindvarzea, Sindicato dos Funcionários e Servidores Públicos de Várzea Paulista, Cajamar e Jarinú, promoveu eleições para renovação da diretoria, e hoje, 12/02, até às 10:40h não haviam divulgado o resultado oficial sob os cuidados da Federação. O que o Blog conseguiu apurar é que o resultado, em cerca de 200 votos do quorum mínimo exigido, reelegeu a diretoria atual e será divulgado ainda hoje nas mídias.

  A chapa de oposição, apoiada pela Fupesp, Federação dos Funcionários Públicos Municipais do Eestado de São Paulo, não aprova a eleição de ontem por não poder participar da mesma, denunciando uma suposta manobra que impediu a chapa ser registrada em tempo hábil. A publicação do Edital foi no jornal O Estado de S.Paulo e não em jornal da região para que todos tomassem conhecimento, segundo a Fupesp. Quando a oposição tomou conhecimento já havia passado o prazo para registrar a chapa para disputar a eleição.   

   Segundo dr. Damázio Sena, presidente da Fupesp, esse processo da eleição está irregular e se constitui uma fraude, pois a eleição de março/2014 foi contestada no Ministério Público do Trabalho, e deu origem a um inquérito civil para apurar responsabilidades. O sindicato foi chamado no MP para se explicar, mas se recusou a assinar o TAC, Termo de Ajuste de Conduta. Em dezembro/2014, em uma festa do porco do rolete no então Baco, o sindicato admitiu ter sido irregular a eleição, anulando assim a mesma para convocar novas eleições. Nesta mesma festa, a Fupesp diz ter sido feito uma coleta de assinaturas dos funcionários filiados, como se fosse uma ATA de Assembleia.

   Segundo a Fupesp, a diretoria, que anulou a eleição de março/2014, tecnicamente não tem legitimidade ou autoridade para assinar documentação do sindicato e/ou realizar novas eleições do sindicato sem convocar previamente uma Assembleia. Mesmo assim as eleições foram realizadas ontem, e a Fupesp informou que vai tomar providencias para anular também mais esta eleição, convocando uma Assembleia para instalar uma Junta Governativa por 90/120 dias logo após o carnaval, invalidando assim a eleição de ontem e convocando novas eleições dentro dos conformes da Lei.

 

 

Voltar