10 ERROS QUE PODEM FAZER PERDER A ELEIÇÃO – Parte 2 (final)

02/08/2016 18:30

  ...continuação da parte 1... (final)

  Concluimos abaixo a abordagem dos erros que o candidato não deve cometer na campanha eleitoral:

3. Menosprezar os adversários: Fazer um bom planejamento do passo-a-passo da campanha pode evitar perder votos por que procurou os eleitores errados, ou trabalhou com as propostas erradas, ou no momento errado. PLANEJAR é uma das chaves da vitória e o que fará cometer menos erros. Agora vamos abordar sobre o terceiro erro, que é um dos mais antigos da humanidade. Você conhece a estória de Davi e Golias? A "vaidade eleitoral" já custou a derrota a muitos candidatos. A vaidade é uma qualidade do que é vão, vazio, firmado sobre aparência ilusória. Trata-se de valorização  do que se atribui à própria aparência, ou quaisquer outras qualidades físicas ou intelectuais, fundamentada no desejo de que tais qualidades sejam reconhecidas ou admiradas pelos outros. Esse é outro erro cometido geralmente por aqueles que se apreciam ser bajulados e admirados por qualidades que acredita que possui ou que fazem-no acreditar que tem. Muitos bons candidatos tropeçaram e perderam as eleições com isso. Ser humilde elimina evita esse erro e, portanto, o candidato deve se comportar com simplicidade, sem ostentação ou presunção.

4. Gastar cedo demais: Eis uma questão que é a chave mestra em toda a campanha: o dinheiro. Os recursos financeiros de toda campanha podem tanto ser a solução como também o problema. Seus gastos eleitorais são como uma maratona, não pense que está em uma corrida de 100 metros. Entenda que é preciso gastar no ritmo certo, e gastar bem, diferenciando o supérfluo do essencial.

5. Não conseguir guardar segredos estratégicos da campanha: Erro que até para Tancredo Neves era difícil de evitar. Campanha é estratégia e, estratégia envolve guardar segredos antes e durante o período eleitoral.

6. Você já tem uma equipe em que confia? O tempo do candidato é a coisa mais importante da campanha. Começa mal quem coordena a própria campanha, pois ao invés de estar usando seu tempo para conquistar votos, apoiadores e recursos financeiros, passará horas dentro do comitê resolvendo assuntos que poderiam ser resolvidos por outros. Se concentre no essencial e encontre um bom nome, alguém para coordenar sua equipe e cuidar das suas coisas.

7. Não dar o devido valor desde o início às Redes Sociais: O candidato já deve ter visto que nessa próxima eleição, a campanha está muito mais maleável e é importante trabalhar para criar a imagem frente aos eleitores. Analise como está a sua presença digital. De quais redes sociais já participa? WhatsApp, Facebook, Instagram, Twitter? Tem um canal no Youtube? Não deve ser ignorado o poder da internet e das redes sociais, ter uma boa presença nas redes sociais com sabedoria. Tudo tem a hora certa, até pedir votos.

8. Desconhecer a legislação eleitoral: A legislação eleitoral realmente é um assunto bem difícil para a maioria dos candidatos, afinal, a cada eleição muita coisa muda, e ter um advogado especialista para te apoiar e orientar não é um investimento dos mais baratos. Portanto, se informar e procurar conhecer, participar de cursos e reuniões e estudar e compreender a nova legislação é necessário para não tropeçar em erros a partir da pré-campanha em erros  eleitorais, principalmente sobre o que pode e o que não pode.

9. Tentar parecer o que não é: Implica diretamente na questão da credibilidade do candidato que, ao tentar mudar seu jeito de ser, ou seja, não usar gravata quando nunca usou, vestir-se com vestuário esportivo quando nunca usou ou vice-versa, falar sobre assuntos que não domina e/ou usar palavras difíceis para parecer mais inteligente, etc., levanta sérias suspeitas no eleitor e pode afastá-lo. O candidato deve ser ele mesmo, como sempre foi, com seu jeito de ser como as pessoas o conhecem, assim será espontâneo o suficiente para mantê-las próximas.

10. Não dar ao eleitor a atenção que ele espera: Esse é um erro fatal que costuma enterrar a eleição do candidato. Portanto, a campanha precisa estar voltada ao eleitor, começar e terminar no eleitor, ouvir suas necessidades, desejos e anseios. Muito mais ouvir que falar. Ouvir muito antes de responder às questões, e falar só o necessário e ser atencioso. Tomar muito cuidado com prometer seja o que for. Dizer que não sabe a resposta quando não souber, mas que vai se inteirar, e responder com clareza e simplicidade se souber. Ainda nesse ponto, a mensagem do candidato deve ser simples, clara e direta para não gerar duvidas, insatisfação ou desconfianças ao falar ao eleitor. Faltar a um compromisso agendado sem uma justificativa aceitável também é não dar atenção ao eleitor.

  Existem outros erros que se comete em campanhas eleitorais, e aprender com o erro dos outros é um dos maiores presentes que qualquer candidato pode receber. É o aprendizado sem dor.   E mais, saiba que é o candidato quem dita o ritmo. Na campanha, 14 horas valem mais do que 13, mas também é importante saber a hora de descansar.

 

Voltar