114 - O BANDITISMO POLÍTICO

30/11/2012 07:21

  Abordagem de Gislaine Pinto de Oliveira

   Não sei se dou o nome a essas linhas que estou tracejando de Corporativismo Político ou Banditismo Político, mas eu ainda fico com a segunda filosofia descritiva.

   A Câmara Municipal é o local designado aos Vereadores, para realizarem suas audiências, a fim de se criarem soluções, diante das reflexões de diversos aspectos da Administração Municipal, tendo como objetivo as demandas sociais.

   Porem estive lá acompanhando as reuniões de trabalho, mesmo porque fiquei intrigada ao saber que recebem 10 mil por mês e a maioria nem se quer passou pelo bando de uma faculdade... Mas enfim achei que seria interessante da minha parte observar seus trabalhos, com a finalidade de apurar se fazem jus ao que recebem.

   O que me levou a ficar estarrecida!!

   Além de ouvir a palavra de ordem, onde só tem desordem, pude observar que a Câmara, não tem interesse que os Munícipes participem da assembleia e isso ocorre desde a abertura da sessão que só ocorre após as 20hs quando a população se faz presente, ainda mediante as vaias, digo muitas “vaias” devido á demora.

   Neste cenário, após iniciada a sessão uma extensa ordem de trabalho, como sinônimo de que não há interesse numa discussão aprofundada, não conclamando a população a pronunciar-se, nem mesmo no que diz respeito á organização administrativa.

   No tema abordado sobre suas remunerações, fomos surpreendidos com a resposta do Presidente da Câmara que se fundamentou na Lei Vigente na Constituição, justificando no final que está sendo reestruturado o orçamento da Prefeitura Municipal, diminuindo assim mais de 50 cargos comissionados.

   Ocorre que são três os pontos relevantes: o primeiro previsto na constituição porem uma afronta à realidade dos munícipes; segundo como excluir 50 cargos sem desestruturar as áreas desenvolvidas por tais profissionais, cuja experiência de uns se arrastam por 04 anos ou mais? Como que com a dispensa desses profissionais não vão desfalcar a estruturas que os mesmos atuam?

   E terceiro e o mais agravante é que reconhecem a falência da Câmara e tem como meta diminuírem os cargos comissionados, a fim de garantir-lhes as mordomias do aumento dos seus rendimentos.

   O Presidente da Câmara e seus discípulos, digo “discípulos porque são todos somente seguidores, sem manifestação formal em consonância com a insatisfação dos munícipes”, vai ainda se utilizar-se de mais uma manobra empurrando para 2013 os compromissos assumidos para 2012, empurrando assim para frente os problemas do presente; se safando assim com o recesso do final de ano! Pasmem!!!!

   A Câmara Municipal, diante do seu papel e competência, deveria ser um exemplo onde se fortalece a democracia e se defende o bem comum.

   Porem diante do que observamos neste cenário, temos um poder legislativo desprestigiado e de aliança corporativa com o Executivo, que pelo seu mau funcionamento, atraí para si o descrédito e a desconfiança.

   E no que tange seus rendimentos, manterão seus rendimentos, valores esses que foram aprovados com portas fechadas.

   E nós pobres mortais, vestiremos com nossa própria consciência, por termos elegido pessoas tão insensíveis, gananciosas e despreparadas para visarem o bem comum.

   Só concluindo, precisamos conscientizar a Câmara Municipal e seus discípulos, que o desenvolvimento econômico e social da nossa cidade, depende da efetivação de políticas públicas.

   Uma vez que vão manter o reajuste salarial de acordo com a previsão constitucional, seria de grande nobreza fazer se cumprir os direitos fundamentais: como à vida, à saúde, à habitação, meio ambiente ecologicamente equilibrado, direitos esses que requerem ações estatais eficaz em termo de saneamento básico.

   Já que querem se amparar na Constituição para se beneficiarem, beneficie os munícipes também e façam jus ao que recebem!

   Durmam com a discrepância e com a ilusão que amanhã será diferente.

 

 

 

Voltar