O final questão do PMDB, comentários do vereador J. Victor, Bé.

07/08/2012 08:39

   O Blog conversou com o vereador João Victor, Bé, ontem, 06/08, que comentou sobre os eventos finais da solução da questão da disputa do PMDB de Várzea Paulista.

   Muito aliviado, descontraído, com disposição renovada e demonstrando mais força política que antes, o vereador revela os últimos lances de antes e depois da decisão da Justiça Eleitoral sobre a disputa do PMDB pelo PV.

   

   "A primeira coisa a se ter em conta é o que diz a sentença no último parágrafo, página 3, onde a Justiça determina que cópias das fls. 02/138 sejam encaminhadas à Policia Federal para apuração da prática de crime eleitoral. Esse parágrafo demonstra que a ação do PV não passou de “armação”, feita de modo grosseiro, amador e usando de mentira para tentar induzir a Justiça Eleitoral a dar parecer favorável à coligação da base do PV. Mas a justiça foi feita e me sinto muito aliviado.

   A solução de toda a questão começou com um contato do Deputado Caruso com o prefeito Eduardo, que procurou o tempo todo ajudar na solução. Após esse contato, o prefeito foi até S.Paulo para tratar pessoalmente da questão e acertou os detalhes para desfazer o malfeito feito com a anuência e participação do Diretório Estadual do PMDB, a pedido do dr. Claudio Miranda e conforme solicitação do PV. A seguir, fui até S.Paulo para ouvir as “explicações” do deputado Baleia Rossi e confirmar o acerto através da Declaração conjunta. Ficou também acertado pelo Deputado que o PMDB local deixará de ser Comissão Provisória e passará a ser Diretório Municipal, sob minha presidência, logo após as eleições.

   No dia da publicação da sentença no Cartório Eleitoral, retornei uma ligação do Juvenal, que tentou consertar o malfeito, dizendo que “abriu mão” do PMDB na coligação em meu favor. Neste momento interrompi a conversa e desliguei o telefone, e a amizade deixou de existir. Juvenal teve muito tempo para fazer isso antes, e não fez, então não aceitei ele me dizer isso depois que ele soube da sentença.

   Hoje estou muito tranqüilo, e o que passei não desejo a ninguém. Passei por muita ansiedade, angustias e insônia, e, inclusive, vou fazer uma bateria de exames para ver se ainda falta algo para reestabelecer 100% do que foi abalado no meu emocional.

   Ainda nesta questão, o PV tentou por diversas vezes me convencer a aceitar a coligação PMDB+PTC, da base do PV. Como não via nenhuma possibilidade de reeleição no que ofereciam, não aceitei. O PV em nenhum momento se mostrou acessível às minhas reivindicações, foram duros comigo e ignoraram todas as vezes que apresentei a eles meus argumentos.

   Agora vou cuidar da campanha e procurar esquecer todo esse episódio, e não desejo algo parecido a ninguém, nem a eles."

 

.

Voltar