91 - O PT COMO OPOSIÇÃO AO NOVO GOVERNO EM VÁRZEA PAULISTA

30/10/2012 10:10

    O Blog vai abordar o contexto de oposição ao novo governo a partir de 2013, e começamos pelo PT por estar deixando o poder e vai voltar ao status anterior de oposição.

   Que se pese a ideologia e o governo que se encerra, para se ver o quanto contrasta com quem vai assumir o poder, administrativamente desconhecido dos munícipes e da região, eleito pautado em promessas e em mudanças. É uma aposta que a maioria do eleitorado decidiu colocar para ver o que acontece, mas também que não representa a maioria absoluta de forma alguma e que já tem oposição bem antes de assumir pela falta de histórico de governo e/ou possível dificuldade de acesso aos cofres do governo estadual e federal.

   Não se governa só com o partido e aliados sem representatividade expressiva no cenário estadual e federal, nem tentando recrutar experientes do governo ou procurar favorecer uns de outros tidos como oposição para tentar amenizar essa dificuldade inicial, que talvez seja uma constante. Dizer o contrário é procurar mostrar uma imagem incondizente com o que é. Sem técnicos reconhecidos na cidade que saibam o que fazer no governo, entendemos que a coligação deve saber como resolver isso trazendo pessoas de fora tal qual fez o PT, e isso pode ser outro ponto para uma oposição dura e persistente, já que também criticaram intensamente "as pessoas de fora" trazidas pelo PT. E nisso o PT tem maestria, e é o que parece que irá acontecer com previsão de boa margem de acerto.

   O PT não se confunde com o que dizem seus líderes ou opositores em determinada conjuntura, nem mesmo com as resoluções aprovadas nesse ou naquele encontro partidário. Embora tudo isso tenha relevância, o PT é algo maior: uma história e uma representação. A trajetória petista em Várzea Paulista inscreve-se no percurso de superação de limitações na sociedade e de construção de uma cidade e sistema político democrático, com todos seus erros e acertos na condução da administração pública enquanto governo. O PT é a representação partidária de uma parcela significativa dos eleitores varzinos. A crítica ao partido e às suas concepções políticas não é apenas legítima, mas indispensável. Coisa muito diferente é tentar marcá-lo a fogo como uma turma de incompetentes ou irresponsáveis. Acertaram muitas coisas? Sim, acertaram e fizeram coisas que as administrações anteriores não haviam feito. Erraram muitas coisas, sim, deixaram a desejar pelo não cumprimento das promessas que haviam feito na campanha do segundo mandato.

   Dizer que o PT não sabe fazer um bom governo é, no mínimo, falta de consistência crítica de quem não sabe governar, talvez até mesmo com uma ponta de despeito por não terem histórico de governo na construção de uma cidade que proporcione qualidade de vida aos munícipes. É inegável que Várzea Paulista avançou significavamente com o governo do PT nos primeiros 4 anos de governo, mas que também proporcionou motivos de criticas ferozes no final deste segundo mandato, principalmente no ponto que ficou mais vulnerável, justamente o que a oposição precisava para ter assunto na campanha: a saúde pública, que atinge a maior parcela da população. E souberam fazer críticas muito bem, e nos moldes do PT.

   Bom, o PT, com suas tendências políticas internas, sabe ser democrático e reconhecer seus erros. Isso ficou muito bem demonstrado na última reunião do Diretório, onde foram discutidos os erros e os acertos da campanha. Apesar das críticas explícitas, tudo foi democraticamente conversado com a base presente, incluindo Lula Raniero e o prefeito Eduardo. Na sua fala, o prefeito assumiu todos os erros de avaliação e condução da campanha, deu explicações sobre as falhas de governo, mas também fez suas criticas. Tudo democraticamente. Até como oposição deverá assim, e na próxima reunião deverão se posicionar quanto a isso. Como Pedro Bigardi foi eleito em Jundiaí coligado com o PT, acreditamos que será uma oposição nada fácil para o novo governo de Várzea Paulista, como só eles do PT sabem fazer.

 

 

Voltar