463 - V.PTA: COMO ANDA A SAÚDE PÚBLICA - Parte 2

28/05/2015 12:10

   Continuamos a abordagem da Saúde Pública de Várzea Paulista, em conversa que tivemos com a Dra. Mônica R. Carvalho:

 

3.  Poupatempo Saúde: Promessa de campanha, já tem projeto pronto na Secretaria de Obras que prevê ser instalado onde hoje ainda é o Pronto Socorro do Hospital Municipal, a ser transferido para a UPA. A ideia é integrar o Hospital, UPA e Poupatempo Saúde.

4.  Hospital: Os médicos estrangeiros já foram todos substituídos por brasileiros, a farmácia do hospital hoje já funciona 24h, o atendimento ficou mais ágil e a qualidade do hospital está evoluindo gradativamente. A demora no atendimento do hospital que chamou a atenção da secretaria de saúde é a Pediatria ser procurada por pacientes das cidades vizinhas, principalmente Jundiaí, e isso deve-se ao fato do dr. Décio ser o melhor pediatra da região e estar aqui na cidade, e isso torna o atendimento mais demorado.

5.  Caps: Já conta com novas perspectivas de recuperação de pacientes com o projeto de futebol, inclusive reconhecido pelo Ministério da Saúde. Um outro fator de melhoria é a oficina de musica, que também conta com o apoio do Ministério da Saúde, que inclusive fornece instrumentos musicais.

6.  Odontologia: Está em ação a campanha de prevenção de câncer bucal, junto com a campanha de vacinação do idoso. Também está em andamento o fornecimento de prótese total (dentadura).

Ainda no atendimento odontológico, a prioridade está sendo as gestantes, idosos e crianças. As gestantes são encaminhadas automaticamente ao dentista logo na primeira consulta  com médico da UBS.

7.  Ambulatório de Especialidades: Já está em funcionamento há mais de 1 ano o Núcleo Integrado de Reabilitação, NIR, dedicado a fisioterapia com terapeuta ocupacional, fisioterapia e fonoaudiólogo.

 

8.  Medicamentos nas farmácias das UBS: Esse o ponto onde o governo tem tropeçado desde o inicio, pois não consegue evitar a falta seja por motivo de dividas deixada pelo governo anterior junto aos fornecedores, seja por falta de dinheiro nos cofres da prefeitura ou seja por falta de ação mais firme do secretário da saúde. Atualmente o governo gasta cerca de 3 milhões com compra de medicamentos de alto custo e por ordem judicial, e gasta cerca de 500 mil reais nos medicamentos populares. Um dos empecilhos era o contrato da licitação anterior, que limita e dificulta a ação prática do governo, mas isso está sendo resolvido com uma nova Licitação a ser feita em breve, e que vai permitir mais mobilidade ao governo para evitar a falta. Boa parte da falta está sendo superada, mas ainda poderá ocorrer falta de uns e outros medicamento.

Outro ponto interessante nesta questão de medicamentos, é o governo conseguir orientar os advogados dos pacientes, que acionam a justiça municipal, para acionar também o Estado, o que poderá aliviar a carga que despesa do município.

 

O próximo Opinião abordadará a gestão da secretaria de saúde, do ponto de vista da opinião pública e bastidores...

 

 

Voltar