128 - VÁRZEA PAULISTA E OS CARGOS COMISSIONADOS

28/12/2012 08:41

   Muita gente nos cargos comissionados ainda está em suspenso neste final de mandato de prefeito, aguardando decisão do executivo quanto à exoneração/demissão. É sempre assim a cada eleição, principalmente se vencida pela oposição. Acontece que os cargos comissionados, geralmente, são demitidos aos poucos e por setores. Pelo bem da verdade, toda pessoa que trabalha para político em qualquer escalão do governo municipal, estadual ou mesmo federal, sem concurso, ou seja, cargo comissionado, sabe que vai trabalhar só naquele mandato, é um contrato de risco. Também acontece de algum prefeito utilizar a demissão dos cargos comissionados para fazer caixa e entregar as finanças regularizadas e assim não cair na Lei de Responsabilidade Fiscal. Ele demite os comissionados que não têm a efetivação, como os servidores concursados, e economiza nos salários. Por isso que muitos comissionados começam a ser demitidos uns três meses antes da passagem de governo. Governantes maldosos, vingativos, fazem isso somente depois que perdeu a eleição: demite todos os comissionados de uma vez. É uma forma de prejudicar os servidores e comissionados que não votaram nele e também a população. Só que com isso a chance é grande do político encerrar a carreira.

   Aqui em Várzea Paulista essa questão não parece estar clara ainda, já que o prefeito que está deixando o cargo ainda não tornou transparente sua posição quanto aos comissionados atuais (segundo se diz são cerca de 250 a 400 comissionados). Pode ser que as demissões sejam feitas hoje, nesta sexta-feira, 28/12/2012 mas, embora esteja previsto, não se tem confirmação se sim ou não.

   O que pode estar rolando nos bastidores ?

   De um lado se diz que pode não estar disponível o dinheiro da conta da prefeitura, supostamente bloqueada por um precatório pela Justiça em favor do Sr. Pedro Mentem, e que isso seria o obstáculo para os procedimentos das exonerações/demissões. Por outro lado, especula-se que pode existir um acordo tácito pela não demissão, entre o prefeito que sai e o que está entrando, que poderá ser avaliado pelo que está entrando, após assumir, quanto ao aproveitamento ou não dos que devem ficar ou sair na nova administração, e isso é uma hipótese viável que circula na própria base do governo que sai. Admitindo-se que a esperança existe para os que estão na divisa do “fica ou sai”, na expectativa de continuarem, e se especularmos que a nova administração não tem experiência de governo e esse pessoal pode oferecer ajuda neste aspecto com a experiência que tem, é provável que sejam aproveitados, pelo menos por um tempo. Sabe-se que alguns já foram convidados e aceitaram. 

   Contudo, o prefeito que está saindo pode exonerar/demitir todos os comissionados sem exceção, e espera-se que isso ocorra hoje, sem descartar que seja apenas parcialmente. Caso não ocorra, o comentário nos bastidores é de que uma parte da base do PT deverá se desligar dos cargos logo no início da nova administração para ficar na oposição, e os demais ficando à disposição do novo governo.

   Acredita-se que durante o expediente público de hoje a situação dos comissionados fique definida, ao menos na forma.

 

    Revisão: LFCO

 

 

Voltar