A pretensa “santidade ética” do governo municipal de Várzea Paulista

Então... se os comentários são verdadeiros, a primeira "consequência" da saída anunciada do gestor da Gestão Pública de Várzea Paulista, no final do mês, é a notícia da exoneração da supervisora do RH, também da Gestão Pública, supostamente por nepotismo. Nos bastidores e opinião pública (leia-se grupos whatsapp), como não poderia deixar de ser, sabe-se ser inegável e impressionante como certas informações se alastram pela cidade por esse fantástico meio de comunicação, assim, num "vapt-vupt". Entre os comentários, o babado prime circulando é que o governo municipal demorou para colocar a vestimenta da moralidade, que nunca foi vista na administração pública desde que o atual governo assumiu a prefeitura em 01/01/2013, e que não deve sensibilizar o MP, e ainda usando e abusando do argumento "Deus está no comando"... Ora, comentários, religiosamente instigantes, garantem que o prefeito está tentando conseguir sua beatificação no Ministério Público, colocando em si mesmo uma suposta auréola de "santidade ética" ao tomar medidas "austeras", justamente depois de se meter em todos os escândalos cometidos e conhecidos na administração pública... Posar hoje de "santidade" não vai colar, principalmente com os MUITOS processos empilhados na balança da Justiça, alguns com condenação e até com indisponibilidade dos bens do prefeito. Pelo sim pelo não, segundo uns e outros, parece inútil o governo tentar sair do pântano movediço em que se meteu, principalmente depois que já afundou mais da metade... Oremos? Não carece...