Checklist da campanha eleitoral

04/08/2020

Reduzida a seu essencial, uma campanha eleitoral é: "Levar a mensagem certa aos eleitores que podem elegê-lo". Nesta frase encontram-se todos os elementos necessários para definir com clareza e praticidade a campanha eleitoral. A mensagem certa é aquela que vai ao encontro do que o eleitor está mais interessado, mais deseja e espera da eleição, e os eleitores que podem elegê-lo são aqueles que, ou estão decididos a votar em você ou que, pelo menos, admitem vir a votar em você, e que formam um bloco que é quantitativamente suficiente para elegê-lo.

  • Os que já estão decididos a votar em você
  • Os que já estão decididos a não votar em você
  • Os que ainda não se decidiram em quem votar, mas que admitem a possibilidade de votar em você.
  • Conhecer a "cabeça do eleitor" isto é,quais os sentimentos, valores, prioridades, interesses que ocupam a sua atenção naquela eleição;

O gasto envolvido na conquista do voto (tempo + recursos materiais) varia dentro do eleitorado, conforme cada um desses 3 segmentos em que pode ser dividido.

  • O gasto com o primeiro segmento é baixo, mas redundante. São eleitores já decididos a votar em você.

  • O gasto com o segundo segmento é proibitivo porque, além de muito elevado tem pouca chance de sucesso, já que é formado por pessoas que rejeitam votar em você.

  • São os eleitores do terceiro segmento que, somados aos do primeiro (que já decidiram votar em você) podem elegê-lo. É nele que se encontra o público alvo da campanha. Na verdade, é para estes que se faz a campanha.

Para ter sucesso então, uma campanha eleitoral vai precisar:

>   Posicionar a sua candidatura levando em conta essas informações sobre o eleitor. 

>   Posicionar uma candidatura para a eleição exige uma clara definição da imagem do candidato, da sua mensagem e das suas propostas; 

  • Dar consistência à candidatura: mensagem, imagem e propostas devem ser coerentes entre si. Um candidato cuja mensagem é a boa administração do dinheiro público e o controle de gastos, não pode ter uma imagem de gastador, de devedor;
  • Focar a candidatura: o candidato deve facilitar a tarefa do eleitor. Sua mensagem deve ser compreendida com facilidade. Para tal sua mensagem deve ser focada isto é, possuir um núcleo central de ideias que seja sucinto, claro, relevante e, por meio da qual a candidatura seja identificada e diferenciada das demais;
  • Viabilizar a candidatura, isto é resolver satisfatoriamente os seis desafios do candidato: ser conhecido; ser identificado; ser comparado; ser escolhido; ser lembrado; ser votado;
  • Encontrar e fixar o equilíbrio entre racionalidade e emoção na mensagem, na publicidade e na comunicação do candidato com os eleitores. Não esqueça que na política os sentimentos são mais fortes do que os argumentos racionais.
  • Realizar uma comunicação eficiente. O candidato precisa usar, da maneira mais eficiente que lhe for possível, os meios e recursos para a sua propaganda eleitoral. É importante lembrar que há diferentes repertórios de ação para diferentes meios de comunicação.

A comunicação de alta intensidade (contato pessoal com o eleitor) é de grande eficiência, mas exige muito tempo para atingir poucos eleitores. A de baixa intensidade (contato intermediado por alguma mídia com o eleitor) exige pouco tempo para atingir muitos eleitores, mas tem uma eficiência muito menor. Cada mídia (material impresso, radio, TV, contato corpo a corpo, telemarketing etc.) possui vantagens e desvantagens próprias, que precisam ser bem conhecidas. Além disso, a oratória política, e tudo que cerca o candidato como orador (sua aparência, comportamento, desempenho) é de enorme importância na luta pela conquista de votos.

Abordagem de Francisco Ferraz

Fonte: https://mundodapolitica.com/checklist-da-campanha-eleitoral-moderna/