Ex-presidente Michel Temer e ex-ministro Moreira Franco são presos pela Lava Jato do RJ

O ex-presidente Michel Temer e o ex-ministro Moreira Franco foram presos em São Paulo hoje de manhã, 21/03, pela força-tarefa da Lava Jato do Rio de Janeiro. A Polícia Federal cumpre também mandados contra outros 6 pessoas, entre elas alguns empresários e o amigo de Temer coronel João Batista Lima Filho.

Michel Temer foi levado para o Aeroporto de Guarulhos, onde embarca em um avião da Polícia Federal, e deve fazer exame de corpo de delito do IML em um local reservado.

São 10 mandados de prisão, 2 temporárias e 8 preventivas, expedidos por Marcelo Bretas, juiz da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro. A prisão de Temer é preventiva. A PF também cumpre outros 26 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, em São Paulo, no Paraná e no Distrito Federal.

No momento da prisão Temer disse por telefone ao jornalista da CBN, Kennedy Alencar, que a prisão "é uma barbaridade".

O MDB, partido do ex-presidente, divulgou uma nota: "O MDB lamenta a postura açodada da Justiça à revelia do andamento de um inquérito em que foi demonstrado que não há irregularidade por parte do ex-presidente da República, Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco. O MDB espera que a Justiça restabeleça as liberdades individuais, a presunção de inocência, o direito ao contraditório e o direito de defesa."

Michel Temer é um dos alvos da Lava Jato do Rio, e a prisão teve como base a delação de José Antunes Sobrinho, dono da Engevix. O empresário disse à PF que pagou R$ 1 milhão em propina, a pedido do amigo de Temer, coronel João Baptista Lima Filho, e do ex-ministro Moreira Franco, com o conhecimento do ex-presidente Michel Temer. A Engevix fechou um contrato em um projeto da usina de Angra 3.

Além deste inquérito, o ex-presidente Michel Temer responde a 9 inquéritos. Cinco deles tramitavam no STF, pois foram abertos à época em que Temer era presidente da República e foram encaminhados à primeira instância depois que ele deixou o cargo. Os outros 5 inquéritos foram autorizados pelo ministro Luís Roberto Barroso em 2019, quando Temer não tinha mais foro privilegiado, enviados à primeira instância.

Michel Temer foi o 37º presidente da República do Brasil, e assumiu o cargo em 31 de agosto de 2016, após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, ficando até o final do mandato em 31/12/2018. Temer é o 2º ex-presidente do Brasil preso por crime comum.

As informações são do site g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/