Impasse na Saúde de Várzea Paulista com indicação do governo na nova co-gestão da Saúde?

19/12/2019

Então... quando se pensa que está tudo resolvido e pacificado, surge um "impasse" para a nova co-gestão da Saúde... segundo muitos uns e outros, circula comentários injuriados nos bastidores do governo municipal de Várzea Paulista, revelando um mal estar em vários níveis da administração pública, incluindo a câmara municipal, que atinge e provoca muito desconforto, particularmente nos funcionários da Saúde. É o seguinte: amanhã, 20/12, é o último dia da co-gestão da Ingex/Vitale na Saúde, e no sábado, 21/12, assume a ISSRV. Até aí tudo certo, e dentro da expectativa de superação do escândalo das propinas para a ex-gestora da Saúde e para o ex-gestor da Comunicação, mesmo porque comentam que o Ministério Público atuou para que fosse desmontado o "esquema" da corrupção existente na Saúde do qual, claro, o prefeito "não sabia de nada". Mas... dizem que o governo municipal, como que tentando colocar água no chopp, "sugeriu" o nome da psicóloga e companheira do gestor da gestão pública para, de alguma forma, fazer parte da nova co-gestão. Foi o suficiente para acender forte resistência e rejeição generalizada à "indicada". Informações, não confirmadas, apontam duas supostas versões: 

1) a "indicada" assumiria a vaga de presidente do COMUS, que vai ficar em aberto com a saída da funcionária da Ingex/Vitale, 

2) a "indicada" assumiria um cargo de diretoria na co-gestão ISSRV. 

Se for verdade, qualquer das possibilidades aventadas iria manter a Gestão da Saúde sob suspeição da continuidade de corrupção, e é o que está contrariando, principalmente o presidente da câmara. Bom, espera-se que a ISSRV não se renda aos apelos de "indicação" se está mesmo disposta a fazer uma co-gestão isenta, de qualidade e livre da possibilidade de corrupção. Pelo sim pelo não, se a indicação da psicóloga pela gestão pública acontecer, espera-se que não, o sr. prefeito vai perder a oportunidade de limpar parte da sujeira do escândalo da corrupção da Saúde. Oremos!