Impeachment de Dória ganha força

15/05/2020

Segundo a reportagem de Cristyan Costa na revista Oeste, as políticas de enfrentamento ao coronavírus adotadas pelo governador João Doria (PSDB) têm provocado indignação nos habitantes do Estado de São Paulo. Há dias o tucano é alvo de uma série de protestos, entre carreatas, bloqueio de caminhoneiros e redes sociais. A revolta é porque, na sexta-feira de 08/05, Doria decidiu prorrogar novamente o isolamento na capital e nos municípios. O novo prazo, agora, é 31 de maio. Portanto, trata-se da 3ª vez em que o Palácio dos Bandeirantes estende as medidas de restrição. Mas não é só isso, o governador gastou meio bilhão de reais na compra de 3.000 respiradores. Com isso, virou alvo de investigação do Tribunal de Contas do Estado por suspeita de superfaturamento

Na 4ª feira, 13/05, os internautas decidiram pressionar o deputado estadual Cauê Macris (PSDB), que preside a Assembleia Legislativa de São Paulo. Na mesa dele, há três pedidos de impeachment contra Doria. Dois são do senador Major Olímpio (PSL), e o outro de parlamentares do PSL. No Twitter, a hashtag "AbreImpeachmentCaue" é a mais comentada, está no topo e já obteve 35.000 engajamentos. Uma outra também sobe: "BolsonaroCadaVezMaisForte", com 6.800 engajamentos. A hashtag, no Facebook, tem obtido melhor performance em páginas ligadas à direita, em vez de parlamentares serem os responsáveis pelo impulsionamento da campanha. Uma delas, por exemplo, conseguiu 4.600mil curtidas, 2.400 comentários e 1.000 compartilhamentos. 

Ao pesquisar no Google pelo nome do governador de São Paulo, os termos mais equivalentes são "caue macris" (presidente da Alesp), "sergio moro" e "lula". A consulta relacionada de maior interesse é "impitimam de joão doria", que cresceu 3.100% nas últimas horas. Resumindo, o interesse dos leitores está aguçado em temas que tratam do afastamento do tucano. Sendo assim, mais informações negativas sobre o governador de SP aparecerão nas pesquisas, o que pode, e muito, prejudicar a sua imagem.

Todos os Estados pesquisaram por Doria, com destaque para São Paulo, Roraima e Acre (na sequência). O assunto não está repercutindo muito na imprensa tradicional (globo, Estadão, Uol, Folha, etc). O noticiário tem se limitado à mais recente manifestação contra o governador: a dos caminhoneiros. O viés da grande imprensa tem sido de "desrespeito à quarentena" e de "Doria é vítimas de ataques", oque indica uma clara "proteção da grande imprensa" ao governador de SP. Entretanto, sites e blogs pertencentes ao lado conservador têm dado evidência à movimentação nas redes, que trataram os protestos de segunda-feira, 11/05, como pacíficos, democráticos e pela reabertura gradual da economia. Assim, esses meios alternativos obtiveram melhores projeções futuras em suas postagens. Isso quer dizer que as chances de alguém acessá-los é maior do que as reportagens da chamada "grande mídia".

O presidente da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo, Cauê Macris (PSDB), está resistindo às pressões para colocar o(s) pedido(s) de impeachment na pauta da câmara para apreciação.

O texto original da reportagem de Cristyan Costa pode ser conferido no link abaixo:

https://revistaoeste.com/ganha-forca-a-campanha-pelo-impeachment-de-joao-doria/