Justiça decreta indisponibilidade de bens do Prefeito de Várzea Paulista

Então... desgraça pouca é bobagem? O prefeito aqui de Várzea Paulista, Juvenal Rossi, amarga mais um revés em processo movido pelo Ministério Público, a partir de denuncia do ex-vereador Demércio de Almeida em 2014, entre outras. É o seguinte: No processo nº 1000269-36.2019.8.26.0655, Ação Civil Pública por improbidade administrativa contra o prefeito Juvenal Rossi, e contra o ex-Secretário Adjunto José Aparecido de Melo, conforme apurado no Inquérito Civil, o Pregão 009/2014 deu origem ao contrato nº 22/2014, com o qual a prefeitura adquiriu, incluindo a instalação, equipamentos para parque infantil nas escolas municipais em valor superfaturado, gerando prejuízo ao erário. 

Vide a decisão no link abaixo:

 Com isso, foi deferida a medida liminar requerida pelo ex-vereador Demércio, via MP, e decretado a INDISPONIBILIDADE DE BENS de Juvenal Rossi e José Aparecido de Melo, até o valor de R$ 372.176,03, conforme decisão judicial no dia 11/02/2019. Entretanto, a decisão judicial não considera a perda dos direitos políticos, pagamento de multa, etc., pelo menos por enquanto. Aparentemente o gestor de Educação e vice-prefeito, Rodolfo Braga, escapou desta vez já que o pedido da compra certamente partiu dele, segundo uns e outros que dizem que ele é o "suposto" mentor dos 21 milhões superfaturados na Educação em Licitações, conforme publicamos aqui no Blog, incluindo a compra de parque infantil. Bom, como é o prefeito quem autoriza e assina a compra, então o responsável é ele, o prefeito. Claro, o governo vai tentar reverter essa decisão. Ora, em meio à crise do escândalo da "suposta" propina da O.S. Vitale aos gestores da comunicação e saúde delatados na Operação Ouro Verde, o que ainda falta para a câmara municipal tomar uma atitude? Pelo sim pelo não, após intensa movimentação no dia de ontem, a câmara municipal programou sessão extraordinária para hoje, 01/03, às 10h... Oremos?