Lula e um novo discurso

Então... enquanto o ator José de Abreu continua esperneando e vociferando contra a indicação da atriz Regina Duarte para a Secretaria de Cultura do governo Bolsonaro, que certamente o ator deve achar que talvez ele é que deveria ser o indicado, a cavarana passa e a esquerda aparenta permanecer inconsolável, frustrada e sem sinais de recuperação da perda da eleição presidencial passada. Entretanto, aparentemente o ex-presidente Lula começa a se movimentar e falar com novo discurso: o da recuperação do patrimônio eleitoral perdido com os escândalos de corrupção nos 13 anos de governo do PT. Acredita-se que é com esse discurso que ele deveria ter saído da prisão, e não com sintomas vingativos contra pessoas e contra a justiça que lhe impôs a condenação e prisão. Na contramão do reencontro com a base eleitoral do partido, comportamentos de pessoas rancorosas e despeitadas, caso do ator José de Abreu e do presidente da OAB Felipe Santa Cruz, por exemplo, mancham, comprometem e mantém a "esquerda" distante da preferência das pessoas, aumentando o abismo com o PT e esquerda adjacente (PCdoB, PSOL & cia.). Mesmo que a humildade não esteja no dicionário do PT, deve-se prestar atenção nos novos discursos de Lula, que soa como uma preparação para um novo PT e, também, como um sinal indicativo para a esquerda em geral, embora uns e outros acreditam ser discurso de lobo vestido de cordeiro para enfrentar uma possível candidatura de Sérgio Moro. Ora, Lula não deixa de ser muito bom de conversa, tal qual o prefeito aqui de Várzea Paulista, alguns vereadores e até gestor(es) municipal(is). Pelo sim pelo não, falar é fácil, só falta a parte difícil: conseguir convencer... e este 2020 é ano de eleições municipais. Oremos!