Lulinha, o possível retorno do imposto sindical obrigatório e a prisão em 2ª instância

Então... 3 principais assuntos escandalosos estão movimentando os meios de comunicação nas últimas horas:

1) Lava Jato na cola do Fábio Luís Lula da Silva, Lulinha filho de Lula, na fase Mapa da Mina, deflagrada pela Lava Jato, que investiga repasses da Oi para as empresas dele, logo depois que Lula autorizou o BNDES aportar R$ 1,8 bilhão para a Oi comprar a Brasil Telecom, em 2008. O presidente da Andrade Gutierrez, acionista da Oi, recebeu em seu e-mail a informação de que Lula editaria decreto para autorizar a fusão. A operação da PF solicitou a prisão do Lulinha, mas a juíza Hardt negou. Lula reagiu criticando, claro.

2) Tentativa do Congresso Nacional reviver a contribuição sindical obrigatória, criando um Projeto de Lei para o trabalhador financiar os sindicatos com desconto obrigatório no salário. Eles não desistem e insistem em todo e qualquer tipo de manobra para conseguir reestabelecer o imposto anual a favor dos sindicatos. Ora, se o Congresso Nacional fosse mesmo a favor do trabalhador, como dizem os parlamentares, no mínimo fariam uma consulta pública, um referendo popular, para saber se os trabalhadores querem de volta o desconto sindical obrigatório no salário, para que os sindicatos voltem a fazer o que todos já conhecem. E mais, os parlamentares ligados ao sindicalismo se importam com a opinião pública? Aparentemente o Congresso Nacional continua fazendo de tudo para colocar os eleitores contra os políticos, tal qual o STF tem feito colocando a opinião pública contra os ministros.

3) A prisão em 2ª instância vai ser colocada hoje em votação em 2º turno no senado federal. Como nenhuma emenda foi apresentada de ontem para hoje, a senadora Simone Tebet, presidente da comissão, anunciou que a proposta "foi dada como definitivamente adotada, sem votação, nos termos regimentais". Como a proposta tem caráter terminativo, deve ser levada à Câmara logo após a aprovação na CCJ. No entanto, senadores do PT se mobilizam para conseguir assinaturas suficientes para apresentar um recurso que obrigaria a proposta ser levada ao plenário do senado para discussão, atrasando a votação para o próximo ano. Parece mesmo que o PT insiste em defender os corruptos na condenação.

Bom, tudo indica que o ano vai terminar com a Lava Jato lançando terror aos corruptos, e com o Congresso Nacional, STF e PT cada vez mais rejeitados e distantes da população...