Mais um escândalo em Várzea Paulista: agora são áudios incendiando o governo municipal e vários vereadores

Então... alguns áudios se espalhou aqui em Várzea Paulista neste último fim de semana, via whatsapp, suficientes para incendiar a política da cidade. Seja "fake" ou não, foi um daqueles escândalos que queima qualquer reputação política, que já é ruim na cidade, principalmente depois do escândalo do "esquema" de corrupção na gestão de Saúde, ainda na fase de investigações, no qual o Ministério Público comenta que foram desviados mais de R$ 170 mil de propinas para os gestores da Saúde e da comunicação. Nestes áudios, inclusive algumas imagens, que se alastrou pela cidade toda sem que saiba a origem, consta uma cobrança feita a um vereador que pegou cerca de R$ 145/150 mil reais para pagamento de dividas de campanha do prefeito e dos vereadores da base do governo municipal. Nos áudios, quem está fazendo a cobrança diz os nomes dos envolvidos em uma lista. Segundo os áudios, o dinheiro entregue seria em "troca" de contratos e carta convite para coleta de lixo, caminhões, ônibus escolar, reformas de colégios e praças, e tinha que ser resolvido até dia 18/06. Em outro áudio, um vereador fala que a questão vai ser resolvida e que um enviado do prefeito ia até ele, mencionando um apto do prefeito no Canal 1 (em Santos). Em tom de "suposta" retaliação, caso não seja "resolvido" até o prazo dado, quem está cobrando avisa que vai no MP. Bom, outro comentário que circula nos bastidores e opinião pública quanto a isso, é que o empréstimo de R$ 3 milhões, a ser votado na próxima sessão da câmara municipal, deve ser usado no cumprimento do "acordo" mencionado nos áudios, mas certamente trata-se apenas de ser só especulações. Os áudios podem até ser "fakes", mas dizem que a voz do vereador é inconfundível... Comentam também, nas trocas de mensagens pela cidade, que todos esses áudios estão com o GAECO e com o Ministério Público de Campinas. Se os áudios não forem "fakes", fica sendo "impressionante" a falta de ética, pudor e decência para com o dinheiro público pelos políticos eleitos citados nos áudios. Pelo sim pelo não, os áudios são "fakes"? Oremos? Segundo uns e outros, o "deus" no comando está cuidando de "tudo", enquanto faz a cobrança incendiária das "faturas"...