Na autocrítica de Lula, a culpa é da Dilma

Enquanto Temer e seu operador são soltos pelo STJ, o dono da Gol delata o ex-presidente Lula, seu filho Luleco e o presidente da Câmara dos deputados Rodrigo Maia, a OAB entra com habeas corpus no STF para que não seja feita a quebra de sigilo do "celular bomba" da JBS e Aécio Neves virando réu no STF por corrupção e obstrução de Justiça, Guido Mantega apresentando no STF um pedido de habeas corpus preventivo com medo de ser incriminado pela CPI do BNDES, entre outras coisas e imbróglios e maracutaias políticas em todo canto, Josias de Souza, jornalista e blogueiro político, publica sua opinião a respeito da autocritica de Lula à BBC de Londres. Vejamos:

Abordagem de Josias de Souza, jornalista e blogueiro político

Fonte: https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2019/05/11/lula-fez-finalmente-a-autocritica-culpa-da-dilma/

Foi ao ar na emissora britânica BBC a segunda entrevista concedida por Lula na cadeia. Contém uma grande novidade. O presidiário petista fez, finalmente, uma autocrítica. Ainda não enxerga um culpado no espelho. Mas lamenta "não ter sido mais incisivo" com Dilma Rousseff em relação às derrapagens do governo dela. Eis o que declarou Lula a certa altura: "Uma pessoa cheia de confiança como a Dilma, na hora que o carro começa derrapar nem sempre tem a tranquilidade de parar e falar: peraí, vamos parar, vamos ouvir, vamos conversar". O comentário realça duas qualidades do entrevistado. Uma é conhecida: a maleabilidade. A outra, insuspeitada: a modéstia.

Lula é reverenciado no PT por sua fidelidade ao partido e aos companheiros. Na entrevista, mostrou-se maleável o bastante para demonstrar que a lealdade, como a honestidade, é uma virtude facilmente contornável. Se perguntarem a qualquer petista quais são as três lideranças mais importantes do PT, a resposta será fulminante: Lula, Lula e Lula. A despeito de não encontrar uma alma capaz de lhe fazer sombra no petismo, o preso foi modesto o suficiente para exagerar no poder atribuído à sua criatura.

No tempo em que o PT ainda tentava fazer sentido, as coisas pareciam mais nítidas. Nessa época, Lula era Deus e Dilma era parte de sua criação. Hoje, a nitidez perdeu a função. Nada é o que parece. Se deixarem, Lula termina virando uma espécie de sub-Dilma. Por sorte, os fatos tornaram-se tão notórios que impedem o cinismo. Qualquer brasileiro de colo sabe que parte do desgaste moral da gestão de Dilma foi herdado de Lula. O mensalão e as petro-roubalheiras nasceram nos mandatos dele. No início de sua primeira gestão, Dilma ensaiou uma pose de faxineira. Foi rapidamente enquadrada por Lula. Onde já se viu afastar aliados dos ministérios por algo tão banal quanto o desvio de verbas públicas?

Lula é responsável também pela corrosão técnica da administração Dilma, pois foi ele quem criou a fantasia de que madame era uma gerentona infalível. Em quatro anos de inépcia, a criatura colocou o país no rumo do brejo. Reeleita com o apoio do criador, consolidou a ruína. Feita por Lula, Dilma desfez o que restou da obra do seu benfeitor. Dilma era mesmo "cheia de confiança". Foi Lula quem inflou o seu ego. O carro realmente "derrapou". Culpa de Lula, que entregou o volante a condutora precária. Dilma, de fato, não era de muita conversa. Sorte do Brasil, pois Lula insistia para que ela se entendesse com Eduardo Cunha. O que teria prolongado o assalto.

Não é que Lula não consiga identificar os problemas. A questão é que ele só enxerga culpados dentro de sapatos alheios. A culpa pelo erros do verão passado é de Dilma. A responsabilidade pelos equívocos do presente é de Jair Bolsonaro, "um doente que acha que o problema do Brasil se resolve com armas." Não há dúvida de que o capitão põe o seu governo a perder. Mas ele está no poder há quatro meses. A sorte de Lula é sua barba. Se tivesse que se barbear todas as manhãs, o presidiário do PT precisaria cumprir um ritual para se certificar de que ainda existe, pois não faria sentido escanhoar o rosto de um fantasma. Se fosse obrigado a encarar diariamente o espelho, Lula teria de recitar o CPF e o RG para ter certeza de que continua sendo ele mesmo, não o impostor que se esconde atrás do cinismo.


Obs.: A matéria acima é de inteira responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Blog Várzea Paulista