O que Bolsonaro tem feito de errado?

O presidente Bolsonaro perguntou ontem, 27/03, em entrevista, sobre o que tem feito de errado, especificamente com o Congresso Nacional... Ora, talvez tenha "errado" em não dar cargos e "verbas" para que os políticos, eleitos pelo povo para representar o povo, votem a Reforma da Previdência, principalmente a minoria parlamentar reeleita e que está pressionando por "negociação" nem sempre honesta e justa, inclusive constrangendo o governo federal... talvez Bolsonaro não queira negociar para que os mesmos de sempre assumam ministérios e empresas governamentais, já que foi deputado por 7 mandatos e sabe quais são os "interesses" dos parlamentares acostumados com o "poder e regalia$"...

Ora, acabar com a velha pratica do toma-lá-da-cá é ter que enfrentar a "guerra" de quem não quer ser contrariado para manter o status de poder, corrupção e impunidade, o que pode perfeitamente explicar a desgastante "velha política" tentando dobrar a "resistência" do presidente para continuar a fazer o que sempre fizeram, ou seja: continuar mamar nas tetas do governo federal, e a custa do povo que paga a conta toda. Manter a "pressão" no Presidente da Republica com apoio de alguns dos principais meios de comunicação, como Globo, Estadão, Folha, UOL, etc., que perderam o acesso às verbas publicitárias e tem que procurar outras fontes de receitas para continuarem existindo, é tentar dificultar a aprovação da Reforma da Providência, ou colocar emendas que a desconfigurem para "proteger" interesses de uns e outros.

Esse tipo de "pressão vai acabar atingindo o funcionalismo público, que tem muito a perder com seus salários e "vantagens", ao contrário do povo que trabalha na iniciativa privada e não tem e nunca teve acesso à "segurança" do servidor público, principalmente estabilidade para não serem demitidos. Não se deve esquecer que parlamentares também são funcionários públicos, pagos com dinheiro dos contribuintes.

Um comentário da jornalista Eliane Cantanhêde, colunista do Estado de São Paulo, feito no GloboNews ontem, 27/03, mostra como os meios de comunicação "plantam" notícias fictícias, ou fakenews, para tentar influenciar e/ou insuflar a população contra o governo federal, dizendo que o ministro da Educação seria demitido. Claro, o presidente da Republica desmentiu a "notícia" nas redes sociais, devolvendo à jornalista o troco de que não vai demitir o ministro. Ficou feio, muito feio, mesmo que Velez saia da Educação.

A "guerra" pela "galinha dos ovos de ouro" continua com o Congresso "convocando" ministros para, certamente, tentar constranger o governo na expectativa de abrir caminho para as "negociações" que atenda os interesses dos mesmos, sempre "em nome da "população" e dos mais pobres. Sim, a população e os mais pobres que os elegeram para tentarem conseguir o que eles querem para eles mesmos. Veja a entrevista do presidente Bolsonaro ao Datena na Band, explicando o que os parlamentares querem...