Lula, o PT e o passado no presente

O site O Antagonista publicou que: Lula ordenou a reeleição de Gleisi Hoffmann à presidência do PT, e que a fonte é praticamente oficial: a colunista social da Folha de S. Paulo. E que, além de ordenar o apoio à sua candidata, Lula ordenou também "que a oposição interna a ela baixe a bola". Tem mais: O Antagonista também diz: tem muito petista graúdo querendo virar a página de Lula para evitar o fim do PT. Resta saber quem terá coragem de liderar a rebelião. Com isso, na abordagem abaixo, Josias de Souza escreve em seu Blog o que o PT está vivendo hoje. Vejamos:

**Lula virou para o PT um passado que não passa 

Abordagem de Josias de Souza, jornalista e blogueiro político

Fonte: https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2019/04/09/lula-virou-para-o-pt-um-passado-que-nao-passa/

Lula tornou-se para o PT um personagem paradoxal. Preso há um ano, ele continua sendo a única liderança nacional do partido. Mas o pesadelo criminal de Lula transformou-o num líder sem futuro. Hoje, Lula está inelegível até 2038, quando fará aniversário de 92 anos. Ou seja, do ponto de vista estritamente eleitoral, Lula é um passado que não passa para o partido que fundou.

Para que Lula voltasse a ser candidato, como gostaria, seria necessário que a sentença que o condenou a 12 anos e um mês de cadeia fosse anulada nos tribunais superiores. Mas nem os mais fanáticos adeptos do bordão 'Lula Livre' acreditam nessa possibilidade. O petismo agarra-se a uma tênue esperança dos advogados de que a sentença seja pelo menos reduzida no julgamento de recurso no Superior Tribunal de Justiça.

Uma eventual redução da pena permitiria à defesa reivindicar uma progressão de regime prisional. Com sorte, Lula ganharia uma transferência do regime fechado para o semiaberto. Com muita sorte, iria para a prisão domiciliar. Seria um alívio para o preso, não para o PT. No momento, o grande desafio do petismo é o de se reinventar na oposição. Por ora, o partido repete o modelo de oposição agressiva que adotava no passado. Com uma diferença: o PT já não se encaixa no papel de virgem no bordel.

Os adversários agora sabem o que os petistas fizeram nos verões passados, quando manusearam a chave do cofre. De resto, ser do contra sem dizer o que colocaria no lugar de projetos como a reforma da Previdência não estimula o eleitor a recolocar o PT na fila de alternativas caso Bolsonaro mantenha o país no caminho do brejo.

O bordão 'Lula Livre' logo será um assunto chato até para o PT, se já não é. Ainda que se materializasse, o sonho de liberdade seria seguido de novos pesadelos. Há mais uma condenação de primeira instância. Há também meia dúzia de processos por julgar. Adepto da teoria da palmeira única, Lula jamais permitiu que brotassem outras lideranças no gramado do PT. Seu egocentrismo condenou o partido a administrar a decomposição do seu único líder rendido aos interesses dele.


**Obs.: A matéria acima é de inteira responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Blog Várzea Paulista