Os abusos nos projetos de leis e a caneta que pode vetar

Então... segundo Josias de Souza, jornalista e blogueiro político, o Congresso Nacional parece que continua com seu conhecido expertise malfeitor, agora aprovando projetos de leis que os protejam da justiça e, claro, usando o dinheiro público para proteger "político corrupto". São duas as abordagens que compilamos e transcrevemos abaixo:

"Depois do surpreendente ímpeto reformista que colocou em pé a reforma da Previdência, a ala bandalha do Congresso voltou a elaborar projetos e emendas como quem joga barro na parede. Se colar, colou. Para os adeptos da tática do barro na parede não existe noção de certo ou errado. Há coisas que são absorvidas e outras que pegam mal. Quando pega muito mal, como no caso do projeto que aplicou a lógica do 'liberou geral' nas regras eleitorais e partidárias, promove-se um recuo tático. Os senadores deram meia-volta. Os deputados voltaram ao barro para selecionar os pedaços de desfaçatez que achavam possível colar novamente na parede.

Essa movimentação mostra que a história que começou a ser escrita no em junho de 2013 virou um pesadelo do qual o Brasil não consegue acordar. Há seis anos, as ruas roncaram para reivindicar menos roubalheira, mais prosperidade e serviços públicos decentes. O sistema político ofereceu na época uma espécie de Bolsa Teatro. Entrou em cartaz um espetáculo de cinismo. Vieram a Lava Jato, o impeachment de Dilma, o entreato apodrecido de Temer e a eleição de Bolsonaro, um personagem antissistema cuja Presidência se ajusta gradativamente ao seu passado sistêmico.

O esforço para a restauração da imoralidade não se limita ao Legislativo. Há adeptos da volta ao passado no Executivo e também no Judiciário. Se essa movimentação revela alguma coisa é que 2013 tornou-se o ano mais longo da história do Brasil. E ainda vai longe. A diferença em relação ao passado é que o cinismo agora encontra resistência. Há uma reação -externa, via entidades civis e redes sociais; e interna, exercida pelo pedaço do Legislativo que nasceu da fome de limpeza da sociedade. O brasileiro continua de saco cheio de sua própria realidade.

A ala bandalha do Congresso não perde a oportunidade de perder oportunidades. Ao ressuscitar parte das regras que o Senado havia sepultado na véspera -entre elas excrescências como uma brecha para o caixa dois e uma fenda para candidaturas de políticos com ficha suja- os deputados tornaram-se, na verdade, uma oportunidade que Jair Bolsonaro pode, se quiser, aproveitar.

O projeto vai ao Planalto na forma de uma bola levantada pelos deputados para o presidente vetar. Bolsonaro terá 15 dias para decidir se sanciona ou veta as novas velhas regras eleitorais e partidárias. O veto pode ser total ou parcial. O presidente poderia, por exemplo, restaurar a decisão do Senado, que manteve em pé apenas o fundo eleitoral, em valor a ser definido. A questão agora é saber de que lado Bolsonaro se sentirá mais confortável. Se vetar as espertezas da Câmara, será ovacionado nas redes sociais, seu habitat natural. Sancionando as indecências, fará média com o centrão.

Há dois Bolsonaros na praça: o que se elegeu como presidenciável antissistema vetaria. Mas o Bolsonaro que exerce a Presidência aproximando-se do seu próprio passado sistêmico talvez prefira não enfiar o dedo em favo de mel para não ter que fugir das abelhas do centrão."

Abordagem de Josias de Souza

Fontes:

- https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2019/09/18/recaidas-do-congresso-pedem-reacoes-a-2013/

- https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2019/09/19/deputados-levantam-a-bola-para-bolsonaro-vetar/


Obs.: A matéria acima é de inteira responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Blog Várzea Paulista