Rodrigo Maia prevê o caos social. Para alguns, já chegou...

Então... Tecnicamente os deputados federais deveriam representar a população que os elegeram, mas parece isso não tem a menor importância quando o Congresso Nacional insiste em impôr "negociações" para "fazer parte do governo", com cargos, ministérios, retorno da contribuição sindical,etc., ou seja o "centrão" continua ativo e "persistente". Um indicativo desta questão é o comentário do jornalista e blogueiro político Josias de Souza  a respeito. Vejamos:

Fonte: https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2019/06/03/maia-preve-o-caos-social-para-alguns-ja-chegou/

"O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, declarou num par de entrevistas que "está faltando uma agenda para o Brasil. Atribuiu ao governo a responsabilidade por apresentar essa agenda. E afirmou que sem ela o país está caminhando muito rapidamente para um cenário de "colapso social." O mundo do Poder, do qual Rodrigo Maia faz parte, ainda não notou. Mas para o pedaço mais pobre do Brasil o colapso social já chegou. Num instante em que todas as atenções estão voltadas para a reforma da Previdência, Rodrigo Maia reconhece em voz alta o que muitos apenas sussurram: a mexida no sistema previdenciário, essencial para atenuar o cenário de ruína fiscal, não produzirá sozinha o milagre da prosperidade. "A reforma previdenciária por si só não vai resolver nada", chegou a dizer Maia. Para evitar o colapso "o governo vai ter que ir muito além."

O presidente da Câmara menciona como pré-condição para o sucesso disso que ele chamou de "agenda para o Brasil" a celebração de uma aliança política. Sem mencionar o nome de Jair Bolsonaro, avesso a composições, Maia declarou: "Quem quer mudar o Brasil tem que ter a capacidade de compreender que só com um arco de aliança você consegue aprovar as emendas constitucionais que podem tirar o Brasil da linha do colapso social."

Parece incrível, mas o governo do capitão entrou no sexto mês e a política continua rodando como parafuso espanado. A conversa não muda. A única coisa que se altera é o tamanho do buraco. Os mais de 13 milhões de desempregados, os estudantes obrigados a conviver com um ministro que brinca de ator de musical, os doentes que definham em macas nos corredores dos hospitais públicos... Esses brasileiros já foram apresentados ao colapso social.