Senador José Serra, PSDB, voltou ao noticiário policial

Então... parece que caciques do PSDB estão na mesma rota da Lava Jato que chegou ao PT. Em mais um revés para o senador José Serra, PSDB, que voltou ao noticiário policial, a Polícia Federal deflagou a operação Paralelo 23 com quatro mandados de prisão temporária e outros 15 de busca e apreensão, incluindo endereços e o gabinete do tucano no Senado Federal, determinado pela Justiça Eleitoral. Ora, as buscas no gabinete foi impedida pelo presidente do Senado, David Alcolumbre, e suspensa pelo ministro Dias Toffoli, STF. 

Segundo Milton Fornazari Jr, delegado responsável, no topo da cadeia criminosa tem o empresário e fundador da Qualicorp, José Seripieri Filho, e o então candidato José Serra, envolvendo supostos repasses de R$ 5 milhões em 2014 para a campanha do tucano ao senado. Segundo o delegado da PF, "a relação entre Serra e Seripieri Filho é justamente o fato de ambos estarem ligados ao setor de saúde".

Claro, a defesa, o próprio senador e a Qualicorp se manifestaram. O senador José Serra, em Nota, disse que "lamenta a espetacularização que tem permeado ações deste tipo no país, reforça que jamais recebeu vantagens indevidas ao longo dos seus 40 anos de vida pública e sempre pautou sua carreira política na lisura e austeridade em relação aos gastos públicos..." Já os advogados do tucano, Sepúlveda Pertence e Flávia Rahal, disseram em Nota que "nada justifica a realização de buscas e apreensões" e que há "clara violação à separação dos Poderes. É ilegal, abusiva e acintosa a atuação dos órgãos de investigação no presente caso..." Também a Qualicorp divulgou Nota informando "que houve busca e apreensão em sua sede administrativa e que a nova administração da empresa fará uma apuração completa dos fatos narrados nas notícias divulgadas na imprensa e está colaborando com as autoridades públicas competentes."

Bom, assim como os tucanos Aécio Neves, Aloysio Nunes e Geraldo Alckmin declaram que confiam na Justiça para provar que são inocentes das acusações, também o senador José Serra parece estar convicto que "tudo será esclarecido" para comprovar sua inocência". José Serra foi ministro da Saúde no governo de FHC sem ser médico, assim como o general Pazuello também não é como ministro interino no atual governo Bolsonaro. 

No governo militar, depois de 1964, Serra foi forçado a seguir para o exílio sem concluir seu curso de engenharia na Politécnica da USP, e passou a estudar economia em Paris e em Santiago, onde obteve o mestrado e tornou-se professor da Faculdade de Economia da Universidade do Chile. Também foi funcionário da ONU nesse período. Após o golpe do general Pinochet no Chile, em 1973, Serra foi preso no Estádio Nacional, em Santiago. Conseguiu escapar e refugiar-se na embaixada da Itália. Foi em seguida para os Estados Unidos, onde obteve outro mestrado e o doutorado em Ciências Econômicas pela Universidade de Cornell. Por dois anos foi professor do Instituto de Estudos Avançados de Princeton.

José Serra retornou ao Brasil em 1978, tornou-se professor da Unicamp, pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) e editorialista da Folha de S. Paulo. Ajudou a fundar o PMDB em 1980, a partir do antigo MDB, e também o PSDB, dissidência do PMDB, em 1988. Foi candidato derrotado por Lula na disputa presidencial de 2002, foi prefeito de São Paulo e também governador do estado. Concorreu novamente ao Palácio do Planalto em 2010, perdendo para Dilma Rousseff. 

Segundo o noticiário, Serra está internado em spa no interior de SP e relatos dão conta que tucano está "bastante abatido"