1061 - HADDAD FOI ENFEITIÇADO PELO FEITIÇO DAS FAKE NEWS

24/10/2018 10:09

   Abordagem de Josias de Souza

   Fonte:  https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2018/10/23/haddad-foi-enfeiticado-pelo-feitico-das-fake-news/

  Fernando Haddad comportou-se como um caçador de bruxas em sabatina promovida por jornais do Grupo Globo. Acusou o general Hamilton Mourão de ser “torturador.” Foi como se apontasse o dedo para o vice de Jair Bolsonaro e dissesse: “É uma bruxa”. Bolsonaro “é figura desimportante no meio militar”, declarou Haddad. Mas o Mourão, por exemplo, ele próprio foi torturador.” Caçadores de bruxas não precisam conferir a veracidade do que afirma. Basta ouvir dizer. Instado a esmiuçar a acusação, Haddad afirmou que o cantor e compositor Geraldo Azevedo declarou até, em um show, que foi pessoalmente torturado pelo Mourão.” Segundo o caçador de bruxas do PT, o “fato” seria noticiado com destaque pela imprensa em qualquer parte do planeta. Era mentira.

  Preso durante a ditadura um par de vezes, Geraldo Azevedo realmente dissera no sábado, num palco da cidade baiana de Jacobina, que Mourão o havia torturado. “Olha, é uma coisa indignante, cara. Eu fui preso duas vezes na ditadura, fui torturado. Você não sabe o que é tortura, não. Esse Mourão era um dos torturadores lá.” Ao tomar conhecimento da acusação o general subiu no caixote. Disse que Geraldo Azevedo “bebeu.” Contou que, em 1969, quando o cantor foi à garra pela primeira vez, ele tinha 16 anos. “Eu estava no Colégio Militar, em Porto Alegre, no 1º ano do 2º grau”, informou Mourão ao Globo.

  Com tantas verdades para estonteantes dizer sobre Mourão, Haddad escolheu justamente a que era mentirosa! Por meio de sua assessoria, o acusador deu meia-volta numa nota oficial: ''Geraldo Azevedo se desculpa pelo transtorno causado por seu equívoco e reafirma sua opinião de que não há espaço, no Brasil de hoje, para a volta de um regime que tem a tortura como política de Estado e que cerceia as liberdades individuais e de imprensa.'' Num instante em que atribui o favoritismo do seu adversário à engrenagem de distribuição massiva de notícias falsas pelo WhatsApp, Haddad acabou sendo enfeitiçado pelo feitiço das fake news. Propagou uma inverdade sem checar. Exatamente como fazem os incautos que passam adiante qualquer tolice que lhes chega pelo visor do celular.

  Comum na época em que ainda havia bruxas, a caça às bruxas foi reativada com força total na era da fake news. Acontece o ano inteiro. Mas as temporadas eleitorais são mais propícias à prática do esporte. Qualquer pessoa pode servir como bruxa. O próprio Haddad diz que ele e seus familiares foram acusados de ser bruxas no material que a campanha adversária despeja nas redes. Com seu comportamento, Haddad demonstrou que a caça às bruxas é um esporte muito competitivo. Os competidores nem precisam de muita imaginação para praticar. Se estiverem desesperados, basta esticar o dedo. No momento, há tantos dedos hirtos na praça que a caça às bruxas vai se vulgarizando. Com sorte, pode cair em desuso. Com muita sorte, pode cair no ridículo.

 

Voltar

Pesquisar no site

BVP © 2012 Todos os direitos reservados.

VárzeaPaulista/SP