724 - V.PTA.: RETROSPECTIVA DO GOVERNO MUNICIPAL 2013/2016 - Parte 41

06/03/2017 08:43

    CÂMARA MUNICIPAL E VEREADORES – Parte 8

    ... continuação de 2015...

  Em abril, surgiu nos bastidores e opinião pública o comentário de que 2 vereadores da bancada do PT iam “desertar” para outro partido, para migrarem para um partido da base aliada do governo municipal. Claro, isso desagradou a bancada do PT que reagiu contra com pedido de providências ao diretório estadual para tomar os cargos dos que estavam saindo para colocarem suplentes do PT, e também que os 2 vereadores fossem desligados do PT por infidelidade partidária por não votar com a  bancada: estava declarada a “guerra” entre os “desertores” e a bancada que ficou apenas com 2 vereadores do PT. Claro, os “desertores” tinham o “apoio” do governo municipal - vide o Opinião 465 do Blog -. Com isso, o governo estaria em vantagem e, inclusive, preparando-se para as eleições 2016 com 9 dos 11 vereadores apoiando a reeleição do prefeito.

Imagem relacionada

  Em maio, o vereador Luciano do PT iniciava suas articulações para lançar sua pré-candidatura a prefeito, pensando em outro partido certamente pois o ex-prefeito Eduardo tinha intenção de se candidatar também, enquanto a opinião pública via a câmara municipal sendo usada como Casa de Oração quando deveria ser um local laico. Ainda em maio chegou ao conhecimento público comentários de que alguns vereadores estavam sendo investigados pelo Ministério Público para abertura de Inquérito Civil, sendo: um do PT, vereador Luciano, no caso dos uniformes e água sanitária, e dois outros, vereadores Silas e Silso, referente à área invadida e desocupada pelos reivindicantes de moradia, área essa que especulações diziam estarem tentando transferir para o nome deles, mas que pertencia a RRFSA, cedida a MRS. Também neste mês a insatisfação pública contra a saúde era intensa, mas os vereadores pareciam alheios à questão ficando só nos discursos na Tribuna do legislativo, indicações e menções de repúdio e aplausos de sempre.

  No fim de maio, dia 26/05, a sessão pública da câmara municipal teve uma grande baixaria, com muita gritaria e confusão do meio da sessão para o final entre os vereadores. Tudo começou porque um requerimento de autoria dos vereadores Luciano e Demercio, que pedia esclarecimentos sobre o Centro de Referência da Mulher e sua unificação com o CREAS, não foi aprovado, e isso gerou muita indignação por parte das mulheres presentes no plenário, principalmente pelo voto contrário das duas vereadoras que posteriormente tentaram justificar seus votos. Nesse momento ocorreu o momento mais constrangedor da noite, a hora em que a vereadora Valdilene e o vereador Demércio disputaram no grito quem pratica ou praticou mais nepotismo (termo utilizado para designar o favorecimento de parentes). 

  Em junho, quando do deprimente fechamento da casa Transitória Menino Jesus, o vereador Silas fez a defesa “veemente” do governo nesta questão na Tribuna, até mesmo de forma exaltada. Mas o Ministério Público e a justiça responsabilizou e determinou ao governo municipal tomar todas as providências para reestabelecer a Casa Transitória. Também neste mes de junho, o sindicato dos servidores públicos protocolou na câmara municipal um pedido de Comissão Especial de Inquérito, CEI, para apurar denuncia de nepotismo no governo municipal no caso da vereadora Valdelene e esposo trabalhando no governo municipal, conforme a Sumula 13 do Supremo Tribunal Federal. Também em junho, o Conselho Tutelar estava na mira dasendo acompanhado pelo Ministério Púlico e justiça, devido suposta denuncia de interferência de vereador na indicação e escolha de novos conselheiros.

  ... continua...

< parte 40

        parte 42 >

 

Voltar

Pesquisar no site

BVP © 2012 Todos os direitos reservados.

VárzeaPaulista/SP