967 - FHC PREGA FRENTE PROGRESSISTA SEM CITAR ALCKMIN

04/06/2018 09:04

   Por Josias de Souza

   Fonte: https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2018/06/03/sem-citar-alckmin-fhc-prega-frente-progressista/

  Em artigo veiculado neste domingo, o grão-mestre do tucanato Fernando Henrique Cardoso anotou que o Brasil só sairá da “enrascada” em que se encontra se a “nova liderança” a ser eleita na sucessão de 2018 “for capaz de apelar para o que possa unir a nação: finanças públicas saudáveis e políticas adequadas, taxas razoáveis de crescimento que gerem emprego, confiança e decência na vida na vida pública.” Defendeu a formação de uma “união de setores progressistas” composta de políticos “que tenham inclinação popular”. Não há no texto vestígio de menção ao nome de Geraldo Alckmin, presidenciável do PSDB.

  FHC fez no artigo uma avaliação do caminhonaço que travou o país por dez dias: “A dita ‘greve’ dos caminhoneiros veio servir uma vez mais para ignição de algo que estava já com gasolina derramada: produziu um contágio com a sociedade, que, sem saber bem das causas e da razoabilidade ou não do protesto, aderiu, caladamente, à paralisação ocorrida. Só quando seus efeitos no abastecimento de combustíveis e de bens essenciais ao consumo e mesmo à vida, no caso dos hospitais, tornaram-se patentes, houve a aceitação, também tácita, da necessidade de uma ação mais enérgica para retomar a normalidade.” Para FHC, a calmaria é enganosa: “…Que ninguém se engane: é uma normalidade aparente. As causas da insatisfação continuam, tanto as econômicas como as políticas, que levam na melhor das hipóteses à abstenção eleitoral e ao repúdio de ‘tudo que aí está’. Portanto, o governo e as elites políticas, de esquerda, do centro ou da direita, que se cuidem, a crise é profunda.”

  O líder supremo do tucanato reconheceu que, diante de uma sociedade politraumatizada, a gestão de Michel Temer ganhou a aparência de um Band-Aid: “Dificilmente o governo atual, dado sua origem e o encrespamento político havido, conseguirá pouco mais do que colocar esparadrapos nas feridas. Nada de significativo será alcançado sem que uma liderança embasada no voto e crente na democracia seja capaz de dar resposta aos atuais desafios econômicos e morais.” Na avaliação de FHC, a cruzada anticorrupção está no DNA da inquietação social: “A Lava Jato, ao desnudar as bases apodrecidas do financiamento partidário pelo uso da máquina estatal em conivência com empresas para extrair dinheiro público em obras sobrefaturadas (além do enriquecimento pessoal), desconectou a sociedade das instituições políticas e desnudou a degenerescência em que o país vivia.” O grão-tucano falou do apodrecimento em termos genéricos, abstendo-se de mencionar que a putrefação consome pedaços do seu PSDB.

  O único agrupamento partidário que mereceu uma citação depreciativa foi o chamado centrão, composto de legendas que frequentam o Congresso a negócios. Num instante em que o correligionário Geraldo Alckmin e rivais como Ciro Gomes (PDT) flertam com partidos da laia do PP, campeão de enrolados na Lava Jato, FHC anotou o seguinte sobre sua ideia de unir os setores progressistas: “Não se trata de formar uma aliança eleitoral apenas, e muito menos de fortalecer o dito ‘centrão’, um conjunto de siglas que mais querem o poder para se assenhorarem de vantagens, do que se unir por um programa para o país.” FHC acha “natural” que, numa disputa travada em dois turnos, os partidos divirjam. “Mas é preciso criar um clima que permita convergência”, ele acrescentou. “E, uma vez no caminho e no exercício do poder, quem represente este ‘bloco’ [progressista] precisará ter a sensibilidade necessária para unir os que dele se aproximam e afastar o risco maior: o do populismo, principalmente quando já vem abertamente revestido de um formato autoritário.” O nome não está escrito. Mas a referência ao molde autoritário é dirigida à candidatura presidencial de Jair Bolsonaro.

  Pelo modo como conduziu o artigo, FHC revela-se inclinado a incluir o PT no seu bloco “progressista” —ou, pelo menos, políticos vinculados à legenda do presidiário Lula. Suas intenções podem ser depreendidas do seguinte trecho: “Fui ministro de um governo que resultou de um impeachment, o do presidente Itamar Franco. Este, com sabedoria, percebeu logo que precisaria de um ministério representativo do conjunto das forças políticas. Como o PT, que apoiara o impeachment do presidente Collor, se recusava a assumir responsabilidades de governo (com olho eleitoral), Itamar conseguiu a aceitação de uma pasta por Luiza Erundina, então no PT.” FHC acrescentou: “Mesmo eu, eleito presidente por maioria absoluta no primeiro turno sem precisar buscar o apoio do PT, tive como um de meus ministros um ex-secretário-geral do PT.” Referia-se ao cientista político Francisco Weffort, que foi seu ministro da Cultura. Fundador do PT, Weffort deixou a legenda em 1995, nas pegadas da decisão de integrar o governo FHC.

  O artigo de FHC foi publicado no Estadão e no Globo. Quem atravessa todo o texto chega ao último parágrafo com uma frustração. Embora afirme que o desafio de conduzir o país “requer liderança e fulanização”, FHC não brindou seus leitores com a revelação de quem seria, na sua opinião, o fulano diz mais habilitado para executar a tarefa. Saltam do texto duas impressões:

  1) FHC parece deplorar a hipótese de vitória de Jair Bolsonaro.

  2) o perfil traçado por FHC não orna com a figura de Geraldo Alckmin.

  No mais, em vez de “fulanizar” sua prosa, FHC preferiu lançar no ar o velho enigma: “Quem, sem ser caudilho, será capaz de iluminar um caminho comum para os brasileiros? ‘Decifra-me ou te devoro’, como nos mitos antigos.

 

 

 
Voltar

Pesquisar no site

BVP © 2012 Todos os direitos reservados.

VárzeaPaulista/SP